Coração e Vida | 30,1 milhões de brasileiros sofrem de depressão e ansiedade - Coração e Vida

30,1 milhões de brasileiros sofrem de depressão e ansiedade

Distúrbios estão relacionados ao modo de vida mais urbano e corrido, diz especialista

24.04.2017 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

A depressão e a ansiedade já são consideradas os principais males do século 21, relacionadas principalmente a uma sociedade mais imediatista e um estilo de vida onde se trabalha muito e há pouco espaço para o prazer e a diversão.

Em vídeo, especialistas falam sobre depressão

Dados recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que 322 milhões de pessoas no mundo têm depressão, com um crescimento de 18,5% nos últimos dez anos.

No Brasil, o problema afeta 5,5% da população, acima da prevalência mundial, que é de 4,4%, impactando a vida de 11,5 milhões de brasileiros.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Os dados referem-se principalmente a São Paulo, sendo superior até que o de países em guerra. Os principais fatores que favorecem o quadro são as atuais condições de vida, como insegurança e alta competitividade, inerentes à vida dos grandes centros urbanos”, afirma Geilson Santana, psiquiatra, psicoterapeuta e doutorando da Faculdade de Medicina da USP.

O médico explica ainda que o aumento no número de casos não é atrelado apenas a um maior diagnóstico, mas também porque as pessoas estão adoecendo mais.

Apesar dos números alarmantes, esse cenário já era previsto. No ano 2000, a organização tinha apontado que a doença afetaria 15% da força de trabalho mundial, obrigando esses trabalhadores a abandonarem seus postos para tratamento de saúde.

Além de mais depressivos, os brasileiros também estão mais ansiosos, segundo a OMS, colocando o país com a maior incidência do transtorno mundialmente, afetando 9,4% da população ou 18,6 milhões de pessoas.

“Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a depressão e a ansiedade não são doenças opostas, sendo inclusive bem parecidas em relação às alterações cerebrais que promovem. Também é bastante comum que a ansiedade evolua para a depressão, e a depressão para um transtorno de ansiedade”, destaca o psiquiatra.

As doenças afetam principalmente jovens adultos e adolescentes, época da vida que as pessoas estão em maior exposição social e iniciando a vida profissional.

Podem se manifestar ainda em pessoas de todos os níveis sociais, ao contrário do que se propagava no passado.

“O que ocorria é que antes apenas pessoas com maior poder aquisitivo tinham acesso a profissionais e tratamento, sendo assim mais diagnosticadas”, pontua Santana.

O primeiro passo para o tratamento é procurar ajuda de um psicólogo ou psiquiatra, que poderão avaliar o quadro e indicar tanto remédios como sessões de terapia.

Quanto antes diagnosticados, mais rápido os pacientes tendem a responder aos tratamentos, melhorando os sintomas e a qualidade de vida.

No entanto, o especialista alerta que pouco adianta realizar o tratamento sem uma mudança no estilo de vida, o que pode levar a recaídas e piora do quadro.

As mulheres são também mais impactadas pela depressão e transtorno de ansiedade em relação aos homens.

“Isso ocorre tanto por fatores hormonais como pela maior inserção das mulheres na sociedade e no mercado de trabalho nos últimos anos, enfrentando a desigualdade e as duplas e triplas jornadas, com o trabalho fora e dentro de casa”, explica o especialista.

Ainda de acordo com a OMS, a depressão é a principal causa de suicídios no mundo, com cerca de 800 mil casos por ano, além de ser a doença que mais contribui para a incapacitação das pessoas, afetando 7,5% da população mundial.

Principais sintomas

A depressão e o transtorno de ansiedade têm sintomas bastante comuns da vida moderna. Por isso, é importante avaliar todo o quadro. Tão importante quanto identificá-los é procurar um médico especialista que poderá fazer o correto diagnóstico da doença e tratamento.

Depressão

– Alteração de humor: tristeza/irritabilidade
– Perda de interesse em coisas que antes davam prazer
– Alteração de atenção e memória
– Alterações de sono: insônia/sonolência
– Baixa autoestima
– Retração: afastamento dos vínculos sociais, como amigos e família

Transtorno de ansiedade

– Preocupação excessiva
– Apreensão ou tensão
– Ansiedade
– Antecipação de situação futura de forma excessiva
– Dores de cabeça e de estômago
– Taquicardia
– Sensação de calor
– Falta de ar

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.