Coração e Vida | 31 de maio: Dia Mundial sem Tabaco - Coração e Vida

31 de maio: Dia Mundial sem Tabaco

Campanha chama a atenção para os problemas socioambientais causados pelo cigarro

31.05.2017 | por Thiago Fraga - Equipe Coração e Vida

Ninguém mais discute sobre os males que o consumo de tabaco causa na saúde dos seres humanos. Há décadas as pesquisas mostram, em temas variados, quantos problemas o hábito de fumar pode trazer. Mas é certo: sempre há aquela pessoa que prefere não pensar muito sobre isso.

A campanha do Dia Mundial sem Tabaco deste ano pretende demonstrar que, além dos prejuízos à saúde, o cigarro provoca danos socioambientais.

Com o tema “Uma ameaça ao desenvolvimento”, a ação quer chamar a atenção para os problemas gerados pela indústria tabagista.

De acordo com o pneumologista Mauro Zamboni, do Inca (Instituto Nacional de Câncer), muitos países são obrigados a aumentar os gastos com saúde pública por causa de doenças relacionadas ao tabaco. As enfermidades geram redução na produtividade, impactando a economia. O problema contribui ainda para o agravamento das desigualdades.

“Pessoas mais pobres acabam gastando menos em necessidades básicas como alimentação, educação e cuidados de saúde”, detalha o especialista.

Balanço da OMS indica que o tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo. São 63% de óbitos ligados a doenças crônicas. O prazer silencioso do cigarro pode trazer consequências graves para a saúde.

O tabaco é responsável por 85% das mortes por doenças pulmonares crônicas, 30% por diferentes tipos de câncer, 25% por doenças do coração e 25% por doenças cerebrais.

As projeções para os próximos anos são desoladoras. Caso a tendência mundial seja mantida, até 2030, 8 milhões de pessoas devem morrer a cada ano em decorrência dos males causados pelo tabaco, 80% delas em países de baixa e média renda.

Enquanto o mundo sofre com a situação, o Brasil caminha na direção oposta. A revista médica The Lancet publicou estudo indicando que o país é uma “história de sucesso digna de menção”.  Nos últimos 25 anos, o número de fumantes brasileiros diários caiu de 29% para 12% entre homens e de 19% para 8% entre mulheres.

Apesar da diminuição da quantidade de fumantes em todo o mundo, o número de mortes causadas pelo tabagismo cresceu 4,7% em 2015.

Depois de fumar por mais de 10 anos, Eunice Pinto, 35 anos, resolveu largar o cigarro. O vício estava pesando no bolso. Sem contar com nenhum suporte, a professora de estética conta que não foi nada simples deixar para trás o hábito adquirido aos 14 anos de idade. Depois de algumas tentativas frustradas, conseguiu dar um basta definitivo em 2008.

A decisão não foi fácil, Eunice sofreu com estresse, mas hoje comemora. “Na época não tive aumento do apetite ou mudança na minha disposição, mas sei que para a saúde foi muito bom. Sentia falta no início, hoje raramente sinto vontade, mas logo passa.”

O militar Orlando Camargo, 33 anos, não teve a mesma sorte. Dois anos após largar o cigarro, teve uma recaída e segue fumando. A mudança de cidade, situação comum em sua profissão, abriu caminho para uma nova rotina, onde o cigarro estava presente.

“Passei a sair, ver outras pessoas fumando e ficava com vontade. O ato em si não dá muito prazer, só quando você fuma depois de uma refeição, por exemplo. Acaba sendo uma questão de hábito mesmo.”

A maneira como Orlando se relaciona com o cigarro não é um caso isolado. O enfoque do Programa Nacional de Controle do Tabagismo do Ministério da Saúde está exatamente em controlar práticas adquiridas ao longo da vida.

Encabeçado pelo Inca, a abordagem tem como base o modelo comportamental. Mauro Zamboni explica que o entendimento é que o ato de fumar é um comportamento aprendido, desencadeado e mantido por determinadas situações e emoções. Nesse contexto, o tratamento prevê a mudança de costumes, buscando a alteração nas crenças e a desconstrução de vinculações comportamentais ao ato de fumar.

Combinada com o uso de medicamentos disponibilizados na rede SUS, a abordagem une intervenções cognitivas com treinamento de habilidades comportamentais.

Em qualquer fase da vida, parar de fumar traz inúmeros benefícios à saúde.

20170529-parar-de-fumar

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.