Coração e Vida | A dieta antes da grande transformação - Coração e Vida

A dieta antes da grande transformação

Como deve funcionar a alimentação no período que precede uma cirurgia de redução do estômago

12.07.2017 | por Flávia Pegorin - Equipe Coração e Vida

Quando as pessoas vão até os médicos especialistas para conhecer, entender e talvez passar por um procedimento como a cirurgia bariátrica, um dos primeiros pontos é discutir sobre todas as vantagens e desvantagens do tratamento. E isso tem tanto a ver com o pós-operação quanto com os acontecimentos que precedem a bariátrica.

Cirurgia bariátrica requer preparo psicológico

A gastroplastia, também chamada de cirurgia bariátrica ou de redução do estomago, é realizada em pessoas com o peso muito acima do ideal, os chamados obesos mórbidos. Em geral, ela passou a ser recomendada quando a obesidade atinge um nível crítico, em que a atividade física e o controle alimentar não conseguem causam o efeito de reduzir o peso, e pode ser feita por meio de alguns tipos diferentes de procedimento.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Algumas informações costumam ser lembradas e reforçadas pelos profissionais da saúde ao avaliar um novo caso. São circunstâncias que não podem ser consideradas “menores” ou abordadas de modo casual. A dieta alimentar que vem antes da cirurgia é um desses pontos.

A dieta pré-bariátrica não é sempre indicada de um mesmo modo – cada caso se apresenta com um quadro particular e os diagnósticos ideais ainda são discutidos pelos médicos. A perda de peso antes das cirurgias, por exemplo, é assunto controverso.

“Às vezes, uma dieta para perder alguns quilos antes da cirurgia pode ser necessária em alguns pacientes a fim de melhorar a condição física”, diz a endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, Claudia Cozer.

“Mas o primordial é a reeducação do indivíduo sobre comer com consciência, comer sem pressa, mastigar bem, observar as quantidades ingeridas. Tudo para que ele tenha uma boa qualidade de vida pós-operatória”, completa.

A maioria das equipes multidisciplinares, que podem reunir gastroenterologistas e mesmo psicólogos, pede aos pacientes que mantenham dieta líquida hipocalórica para perdas de peso e melhora das condições clínicas e operatórias nas 24 horas antes da intervenção. Antes disso, nos meses que a precedem, a indicação é apenas que a alimentação seja balanceada e sem exageros.

A orientação de especialistas, nesse período, é que o indivíduo preste muito mais atenção na saciedade – para interromper a ingestão de alimentos quando não sentir mais fome (colocando porções menores no prato, não repetindo, evitando comer enquanto realiza outra atividade, como ver televisão, usar computador, etc.). E que ele coma em horários regulares, para disciplinar a rotina.

“Obviamente, se nessa fase o paciente conseguir diminuir a ingestão de calorias e perder peso, isso vai ajudar no ato da cirurgia e pós-operatório. Mas esse tempo é individual, depende das necessidades pré-operatórias de cada paciente – e pode envolver desde uma consulta até vários meses de preparo”, lembra Claudia.

Não há estudos que comprovem a necessidade de perder peso antes de passar pelo procedimento. Mas o ganho de peso, como algumas pessoas costumam acreditar – o famoso “precisa engordar mais, para estar em um nível de obesidade que permita a cirurgia”, isso é discutível.

A indicação de cirurgia bariátrica, em si, como procedimento clínico, não obedece a critérios individuais – não leva em consideração a história de vida da pessoa ou sobre como ela ganhou tanto peso e as tentativas para perdê-lo. Ela respeita critérios instituídos pela Organização Mundial de Saúde, como o IMC (Índice de Massa Corpórea).

“Só podemos indicar a cirurgia se o paciente tiver IMC acima de 35kg/m2 com morbidades ou IMC maior do que 40kg/m2. Isso exclui uma faixa de pacientes que talvez teriam indicação e benefícios com a cirurgia, mas não podem ser incluídos por causa do ‘baixo peso’”, explica a endocrinologista.

Praticar um ganho de propósito para se tornar elegível, no entanto, é arriscar a própria saúde e a vida. E vai contra a premissa básica sobre a dieta pré-bariátrica: ter um especialista sempre no comando.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.