Coração e Vida | Cadeirantes também precisam se exercitar - Coração e Vida

Cadeirantes também precisam se exercitar

Atividade física é fundamental para evitar obesidade e problemas circulatórios

22.08.2016 | por Coração e Vida

Às vésperas da Paraolimpíada do Rio, que ocorrerá entre 7 e 18 de setembro, o site Coração & Vida faz um alerta para a importância das atividades físicas, inclusive aos usuários de cadeiras de rodas.

Especial do mês: Uma Olimpíada por dia
Inspire-se no espírito olímpico e não fique parado

Ortopedista explica lesões mais comuns no esporte
Exercícios físicos são fortes aliados contra a asma, diz estudo
Quer dormir bem? Estudo indica que as atividades físicas contribuem

Artigo: Em tempo de Olimpíadas – Um bom momento para deixar o sedentarismo
Você sabia… Que a atividade física pode contribuir para sua saúde mental?

Pode parecer difícil, principalmente se o deficiente tiver uma lesão mais grave, mas com uma boa orientação profissional é possível sair do sedentarismo e diminuir a incidência de complicações circulatórias e obesidade.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

No Brasil, 10 mil casos novos de lesão medular aparecem a cada ano, a maior parte causada pela violência no país. O uso de armas de fogo é responsável por 46% desses casos, segundo dados da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, do Hospital das Clínicas de São Paulo (IMREA).

De acordo com o médico fisiatra André Sugawara, do IMREA, a maior parte das pessoas com deficiência está sedentária e apenas 15% são ativas. Das pessoas que começam uma atividade, 75% abandonam no primeiro ano.

Sugawara diz que os principais motivos do abandono são medo de cair; desconhecimento de que deve e precisa fazer atividade física; falta de acessibilidade; e barreiras impostas por outras pessoas, que passam a encarar o cadeirante como doente e não como um cidadão habitual.

“Com certeza, o fator atitudinal é maior que o fator físico. Se o cadeirante vai a um clube e as pessoas que estão lá têm preconceito, ele não vai conseguir desempenhar sua função de uma forma satisfatória e acaba desistindo”, afirma.

O médico recomenda que o paciente impulsione a cadeira de rodas no seu dia a dia, que faça uma natação ou um esporte adaptado às suas condições. “É importante que ele esteja ativo no seu cotidiano”, enfatiza.

O cadeirante pode começar do básico, que é ir “tocando” a cadeira de rodas e mantendo a atividade dos membros superiores, segundo a indicação do médico do IMREA.

“Ele pode, depois, executar uma série de exercícios domiciliares como flexão de braço, abdominais, exercícios de tronco. Recomendamos que substitua o lazer passivo pelo lazer ativo, brincar com filhos e amigos. Frequentar museus e praças é melhor do que só ver televisão.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.