Coração e Vida | Cálculos renais afetam até 15% da população mundial - Coração e Vida

Cálculos renais afetam até 15% da população mundial

No Dia Mundial do Rim, especialista explica hábitos simples de prevenção à doença

9.03.2017 | por Coração e Vida

No Dia Mundial do Rim, celebrado em 9 de março, o site Coração & Vida faz um alerta para o tema e dá dicas de prevenção à doença que pode atingir até 15% da população mundial, sendo, aproximadamente, duas vezes mais comum nos homens do que nas mulheres.

Se você ingere pouca água, toma muito refrigerante e consome sódio e proteína em excesso, cuidado! Você pode ser um forte candidato a ter pedra no rim.

Segundo o urologista Alex Meller, especialista em cálculo renal, as pessoas devem evitar refrigerantes de qualquer tipo, light ou normal, pois possuem muito sódio e fosfato, além de reduzir o consumo de sódio e evitar o excesso de proteínas da carne, seja ela vermelha ou branca, pois o aumento de proteína também leva a formação de cálculo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Por último, evitar produtos processados, e dar preferência por comidas naturais como frutas, legumes e verduras.”

O médico explica que essas pedras são, na realidade, calcificações que provêm de cristais que normalmente eliminamos na urina. Eles se agregam e formam um cálculo.

“Quanto mais a gente está desidratado, maior a concentração desses cristais.”

Um dado relevante é que 5% dos cálculos renais podem estar associados a infecções urinárias. “Realmente, existem pacientes que têm infecções urinárias associadas à presença de cálculo. Porém, ele é mais raro”, diz o urologista.

Os sintomas podem surgir de forma repentina, porque o cálculo é assintomático de início. “Ele é assintomático, principalmente quando é pequeno e está dentro do rim. Para o cálculo começar a dar sintomas, ele precisa sair do rim em direção à bexiga e obstruir o fluxo urinário.”

É nesse momento que o paciente pode sentir uma dor muito intensa nas costas, que se irradia para o abdômen. O pico da dor é seguido de certo alívio e essas manifestações podem até vir acompanhadas por náuseas e vômitos. O ideal é correr para o médico caso um episódio assim aconteça.

O diagnóstico pode ser feito pelo quadro clínico do paciente, mas o método principal é a ultrassonografia. Nessa triagem é que os cristais são identificados. Quando o paciente não tem sintomas, a pedra no rim costuma ser descoberta por acaso, fazendo uma ultrassonografia por algum outro motivo.

A boa notícia é que a pedra no rim tem tratamento e ele está relacionado diretamente ao tamanho do cálculo, segundo o urologista.

“Se os cálculos são pequenos, o tratamento muitas vezes é feito pela implosão, uma máquina que quebra o cálculo dentro do rim. Se é intermediário, o tratamento é endoscópio, realizado vias urinárias, pela uretra. Para os cálculos maiores, o tratamento é percutâneo, onde se faz um furo na região lombar, removendo o cálculo renal.”

Para evitar a pedra no rim, o principal é, sem dúvida, se hidratar bem. Outra dica importante é observar a urina: ela tem que ser clara e abundante.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.