Coração e Vida | Colesterol tem origem genética, na maioria dos casos - Coração e Vida

Colesterol tem origem genética, na maioria dos casos

A influência do histórico familiar é grande sobre o aumento do chamado LDL; lidar com o problema também passa pela dieta e atividade física

4.12.2017 | por Flávia Pegorin - Equipe Coração e Vida

Todos os anos, as doenças cardiovasculares são responsáveis pela morte de milhares de pessoas ao redor do mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, somente no Brasil esse número chega a 300 mil pessoas.

Quem se coloca mais atento ao problema já percebeu que os especialistas sempre recorrem aos exames de colesterol para avaliar a questão.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Um dos principais indicadores de risco à saúde do coração, de fato, é o nível de LDL (sigla para “lipoproteína de baixa densidade”), conhecido popularmente como “colesterol ruim”. Isso acontece porque o aumento do LDL está relacionado com o aumento de doenças cardiovasculares como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e outras.

O exame que atenta para o colesterol, hoje, é solicitado a todos os pacientes nas consultas de rotina – e especialmente para aqueles com histórico semelhante entre familiares. Mas quanto do problema depende da genética?

A resposta é que cerca de 65% do nível de colesterol no sangue de uma pessoa têm origem genética (enquanto 35% estão relacionados a hábitos alimentares e comportamentais).

Por causa disso, é fundamental que as pessoas conheçam quais são os seus índices de colesterol desde cedo – e, se têm parentes de primeiro grau com histórico de infarto ou de colesterol muito elevado, muito cedo mesmo.

“Na maioria da população, uma avaliação deve ser feita a partir dos 20 anos. Em situações especiais, isso pode começar a partir de 2 anos de idade”, explica o cardiologista Eugênio Gomes de Moraes, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

O ideal é que, ao iniciar a vida adulta, as pessoas já tenham dosado os níveis de colesterol algumas vezes; assim, caso eles estejam (e permaneçam) alterados, o indivíduo deve ser orientado e encaminhado para um tratamento específico.

Segundo o cardiologista, o LDL elevado (pela genética ou outros fatores) pede, de qualquer modo, uma alimentação saudável e equilibrada, além de outras recomendações de modificação no estilo de vida.

“Os níveis de colesterol podem se elevar em função do consumo alimentar aumentado de certos produtos, como ácidos graxos saturados e ácidos graxos trans”, lembra Moraes.

São alimentos como leite e derivados integrais, carne, frango e peixe com alta quantidade de gordura e/ou pele, camarão, alimentos industrializados, frituras e produtos como pães doces, bolos, tortas.

O equilíbrio no consumo desses itens contribui de maneira eficaz no controle do LDL – além da troca por leite e derivados desnatados, carne, peixe e frango cozidos, assados ou grelhados sem pele e adição de gorduras, hortaliças frescas, óleos vegetais, sementes oleaginosas e cereais integrais na dieta.

Especialmente para quem tem o histórico familiar de LDL elevado, o aconselhamento nutricional faz muito sentido, ajudando a selecionar melhor o que se come, quantidades e os modos de preparar a refeição (juntamente com uma supervisão também na prática regular de exercícios, outro ponto decisivo no controle do problema).

​Vale, ainda, um alerta: muitas vezes, assustadas com a determinação de um histórico familiar e a presença do LDL elevado, as pessoas simplesmente cortam a gordura da rotina. Não é o caso – e excluir esse elemento pode ainda acarretar consumo maior dos açúcares e carboidratos, o que também coloca o coração em risco.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.