Coração e Vida | No Dia Mundial de Combate à Asma, confira dicas para evitar crises - Coração e Vida

No Dia Mundial de Combate à Asma, confira dicas para evitar crises

Especialista explica como respirar melhor e controlar a doença

2.05.2017 | por Coração e Vida

Desde 1998, comemora-se no dia 2 de maio o Dia Mundial de Combate à Asma, uma das doenças crônicas mais comuns no mundo. No Brasil, estima-se que existam aproximadamente 20 milhões de asmáticos e dados do Sistema Único de Saúde (SUS) apontam que a asma é a terceira/quarta causa de hospitalização no país.

Pessoas de todas as idades podem sofrer com a doença, que é genética e não tem cura, mas é controlada com medicamentos e mudanças no ambiente de convívio do paciente. Poeira, mofo, fungo e animais de estimação são fatores capazes de desencadear o problema.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“As pessoas podem desenvolver asma em qualquer época da vida e a doença está relacionada a um traço genético, como a cor dos olhos, por exemplo, que é uma característica pessoal.  Além dessa questão, a interação com o meio ambiente é a outra causa. A pessoa já tem uma alergia respiratória e ela pode ser desencadeada por pó e poeira da casa, partículas do ar. É uma doença típica da interação da genética com o meio ambiente”, afirma o pneumologista do InCor (Instituto do Coração) Rafael Stelmach.

Um fator que pode agravar a asma é o estresse, de acordo com o especialista. “É um fator relacionado mais com a amplificação do que com o aparecimento da doença. Da mesma forma que o asmático não pode entrar em contato com substâncias que causam crise, também não deveria passar por estresse emocional, porque poderia agravar o problema.”

O sintoma mais comum da asma é a falta de ar, mas dores no peito, tosse e espirros costumam aparecer em alguns pacientes. “Os sintomas aparecem de repente. Você está bem, mas daqui a pouco está mal. É uma falta de ar intermitente. Pode ser uma crise simples, mas algumas são mais graves.”

Na asma, as vias aéreas (ou brônquios, espécie de tubos que levam o ar para os pulmões) se inflamam, incham e ficam mais estreitas. O chiado que se ouve na respiração de uma pessoa com crise asmática é, na realidade, proveniente do ar que está tentando passar pelo brônquio fechado.

“Quando o indivíduo sente o tal do chiado, muitas vezes o desconforto é enorme, como se alguém apertasse você, um aperto no peito, no tórax inteiro, você não consegue respirar, não consegue soltar o ar”, explica o médico.

O tratamento é feito à base de medicamento, a chamada “bombinha”. As receitadas pelos médicos não são iguais para todos os pacientes e se dividem em dois tipos: as broncodilatadoras, que aliviam a falta de ar; e as anti-inflamatórias, que servem para controlar e evitar a inflamação das vias aéreas.

No entanto, nos pacientes graves, não é só a crise que deve ser tratada. Stelmach reforça a necessidade de combater os fatores que causam alergia, como gatos e cachorros dormindo na cama, por exemplo. “Você pode ter animais na casa, mas eles devem ficar, de preferência, do lado de fora e, principalmente, nunca dormir na cama.”

Atitudes simples como não varrer a casa para não levantar poeira ajudam a controlar os fatores de risco. É possível limpar a casa apenas com aspirador de pó e pano úmido.

“Recomendo também a troca da roupa de cama duas vezes por semana e não acumular muitos objetos que possam juntar pó. As áreas atrás do armário e da cama juntam também poeira e mofo e precisam ser constantemente investigadas.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.