Consumo de bebida alcoólica aumenta a vontade de comer, indica estudo

Álcool também traz consequências sociais e compromete a saúde, alerta nutricionista

23.03.2017 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

Sabe aquela vontade de comer um tira-gosto junto com a cerveja? Mais do que um desejo, é uma resposta do cérebro ao consumo de bebidas alcoólicas.

Um recente estudo publicado pela Nature Communications, publicação especializada em divulgações de pesquisas científicas, revelou que o álcool atua na ativação dos mesmos neurônios da fome, o que, em tese, não deveria ocorrer, uma vez que as bebidas alcoólicas costumam ser ricas em calorias.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O estudo, conduzido por cientistas do Instituto Francis Crick, do Reino Unido, com base em experimentos com ratos, mostrou que o álcool ativa os sinais emitidos pelo cérebro ao organismo para a ingestão de mais comida.

“Alguns estudos demonstram que o consumo habitual, em pequenas ou moderadas doses de álcool, relaciona-se ao aumento do apetite, isso porque interfere no sistema neuroquímico e relaciona-se à liberação de cortisol, hormônio que aumenta o consumo de energia e a busca por alimentos”, explica Cintya Bassi, nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, em São Paulo.

Porém, segundo ela, em dependentes graves, a relação é inversa, pois o álcool, muitas vezes, substitui o alimento e, apesar de ser calórico, fornecendo 7,1 kcal/g, não possui nutrientes importantes para a manutenção adequada do organismo, favorecendo a desnutrição.

Para o experimento, os ratos receberam, por três dias seguidos, doses de bebidas equivalentes a uma garrafa e meia de vinho para um ser humano.

Os pesquisadores puderam observar que o álcool causou uma maior atividade nos neurônios chamados AGRP, que são responsáveis por alertar o corpo sobre a necessidade de comer e que dão a sensação de fome.

No experimento, isso fez com que os ratos comessem mais do que o normal. Os cientistas responsáveis pelo estudo acreditam que o mesmo padrão deve se aplicar aos humanos.

A pesquisa é um alerta também para os perigos associados ao consumo de bebidas alcoólicas. Os óbitos relacionados ao álcool configuram a quarta principal causa de mortes evitáveis anualmente nos Estados Unidos.

O álcool e a obesidade são ainda a causa de 90% das mortes por doenças no fígado.

“O consumo de álcool, quando fora dos padrões, pode acarretar diversos problemas, que vão desde os sociais, interferindo no trabalho e convívio familiar, até ao comprometimento da saúde, como desidratação e desnutrição, falta de memória e déficit cognitivo, risco aumentado de câncer, especialmente de boca, laringe e esôfago, comprometimento do sistema digestório (que podem acarretar em gastrite, hepatite e cirrose), carência de nutrientes como vitamina B1 e pancreatite”, destaca a nutricionista.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), não existe um nível seguro para consumo de bebida alcóolica.

Para quem está planejando perder peso, a descoberta pode ainda ser um lembrete de que beber e comer em excesso costumam caminhar lado a lado e reduzir o consumo de álcool, ou mesmo evitá-lo completamente, pode ser um primeiro passo, não só para o resultado na balança, mas também à saúde.

“O álcool é uma bebida calórica e possui substâncias tóxicas e, por isso, o organismo prioriza sua eliminação. Com essa prioridade na metabolização, outras substâncias passam a ser secundárias no processo, inclusive o lipídeo, que, em segundo plano, passa a ser estocado, favorecendo o acúmulo de gorduras, principalmente na região abdominal”, alerta a especialista.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.