Depressão atinge 11% da população idosa

Especialista faz alerta para comportamento apático e desatento na terceira idade

20.06.2016 | por Coração e Vida

É comum ver idosos com aparência triste, apática, desatentos e desmotivados. Longe de parecer normal, esse quadro pode revelar uma doença devastadora: a depressão.

Especial do mês: Pensar o envelhecimento é fundamental para melhorar a qualidade de vida
Negligência é a principal forma de violência contra o idoso

A população idosa e o risco de quedas
Artigo – A fonte da juventude/Tão longe e tão perto
Você sabia… Que cerca de 50% dos casos de violência física contra idosos são praticadas pelos filhos ou parceiros?

A Pesquisa Nacional de Saúde do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que pessoas entre 60 e 64 anos de idade representam a faixa etária com maior proporção (11%) de diagnóstico de depressão. Com a estimativa de que em 2050 a terceira idade represente um quinto da população brasileira, segundo dados do IBGE, é possível prever que boa parte dos brasileiros estará deprimida se a doença for negligenciada na velhice.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

São muitos os fatores que podem levar ao aumento da incidência da depressão na terceira idade, entre eles a aposentadoria e a consequente sensação de inutilidade, a falta de realização profissional, a dificuldade financeira por conta da redução do salário, o isolamento social, as alterações físicas e de saúde e até a perda de familiares e amigos por morte.

“Não há uma vacina contra a depressão. Eventos de vida muito difíceis, grandes perdas e doenças graves podem levar qualquer pessoa à depressão”, afirma a psiquiatra Rita Ferreira, do Programa Terceira Idade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo (IPq).

Entretanto, o maior problema está na falta de diagnóstico e de tratamento adequado, pois a doença pode culminar em demência e até mesmo em Alzheimer se não for tratada.  O tratamento inclui mudanças no estilo de vida, inserção social e medicamentos em casos mais graves, desde que haja indicação médica.

Ainda que seja possível tratar a doença, a prevenção é de grande ajuda na maior parte dos casos. Uma boa medida de prevenção contra a depressão é manter uma vida ativa, procurando sair de casa e ter relações sociais.

Pode parecer uma tarefa difícil para um idoso que está com uma condição financeira restrita, mas é possível tomar certas medidas, como começar a ler mais, ouvir música, cozinhar, participar de grupos de pessoas com interesses em comum, frequentar cursos gratuitos, parques e até conversar com o vizinho. Atividade física também é fundamental e uma caminhada diária no quarteirão de casa já serve.

“As medidas gerais para a saúde e o bem-estar do idoso são as mesmas que o protegerão das doenças crônicas: atividade física de rotina, relacionamento com amigos e com os familiares, ler, dançar, ouvir música, tentar aprender novos conhecimentos, procurar ser útil a alguém, enfim, cuidar-se de um modo geral”, aconselha a psiquiatra.

O papel da família é essencial para evitar a depressão do idoso, principalmente para identificar os sintomas da doença. Além da tristeza e da apatia, esquecimentos, dores sem causa clínica, mau humor, choro fácil e emagrecimento dão pistas de que algo não está indo bem.

“A família precisa apoiar essa pessoa e também estar atenta aos possíveis sintomas de depressão e levar ao médico quando necessário, se interessando pelo seu idoso e acompanhando o tratamento”, diz a psiquiatra.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.