Coração e Vida | Descongestionantes nasais viciam, cuidado! - Coração e Vida

Descongestionantes nasais viciam, cuidado!

Quanto mais se usa, maior a chance de sofrer com efeito colateral; medicamento só é indicado para alívio em resfriados

4.09.2017 | por Elioenai Paes - Equipe Coração e Vida

Coriza que não cessa, sensação de sufocamento de madrugada, perda parcial do olfato e até aumento das arritmias cardíacas. Parece uma doença grave, não? Mas são só os efeitos do uso indiscriminado de descongestionantes nasais, que viciam e provocam sensações desconfortáveis que deixam até os médicos em uma saia justa na hora de recomendar ao paciente para parar de usar o medicamento.

Queridinho de muitos com rinite ou sinusite, o uso contínuo dos descongestionantes nasais é perigoso. Fausto Nakandakari, otorrinolaringologista do Hospital Sírio-Libanês, explica que o remédio não trata o problema, apenas os sintomas, e que isso faz com que a pessoa precise usar cada vez mais para obter alívio. Logo, é considerado um vício.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Quem tem doenças crônicas como rinite e sinusite precisa de tratamento adequado. Tratando o sintoma, quando acabar o efeito do remédio o problema vai continuar lá. E é aí que está a grande contraindicação para o uso de descongestionantes nasais”, alerta, pois os efeitos colaterais vão surgir em quem faz uso exagerado.

De acordo com o médico, o remédio só é indicado em casos específicos, como um resfriado – e em quem não tem problemas no coração, já que pode provocar arritmias cardíacas em pessoas com alguma doença.

“O paciente tem o sintoma, mas quando o vírus for eliminado, o nariz vai voltar para a função normal. Indicamos para o conforto do paciente nesse período”, conta.

A complicação acontece quando quem tem rinite ou sinusite encontra alívio no descongestionante e passa a usar cada dia mais. “Os sintomas são muitas vezes parecidos com o de um resfriado comum, ou de uma gripe. O paciente não vai saber diferenciar um e outro, e às vezes começa a usar por conta própria. É aí que mora o problema”, alerta o Nakandakari.

Não vive sem? É vício

O otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Cícero Matsuyama, esclarece que os descongestionantes viciam exatamente por provocar o efeito rebote, ou seja, a volta dos sintomas ou até piora deles, forçando a pessoa a usar uma dose até maior para obter alívio.

“Se a doença de base [rinite ou sinusite] não for tratada adequadamente, o efeito vasoconstritor diminui e a obstrução nasal vem em dobro, levando a sucessivos usos do medicamento”, preocupa-se.

Além de todos os sintomas de nariz entupido e sensação de sufocamento, ele também pode fazer com que a pessoa perca a capacidade plena de sentir cheiros.

Para largar o vício é preciso buscar ajuda médica

Quem resolve parar de usar mas acorda com todas aquelas sensações já descritas no meio da noite, precisa de ajuda. E ela vem de medicamentos que vão “acalmar” o nariz e fazer com que ele se adapte sem os fármacos descongestionantes, mas com conforto durante o abandono.

Nakandakari explica que quem percebeu que precisa dizer adeus a essa classe de medicamentos necessita passar por uma avaliação de um especialista.

“Normalmente receitamos corticoides nasais”, explica o médico, sobre controlar os sintomas da abstinência. A boa notícia é que em torno de 10 dias de uso já é possível deixar de sentir os efeitos adversos da falta do remédio.

Mas será que os corticoides que substituem o descongestionante nasal durante o tratamento viciam? Nakandakari explica que não. “Ele vai agir exatamente nas células inflamatórias dentro do nariz. Quando a pessoa suspender o remédio, não vai sentir os mesmos efeitos adversos do descongestionante, por isso o risco de ficar viciado não existe”, conta.

No entanto, ele alerta que há alguns tipos de rinites mais graves em que há a necessidade de uso contínuo de corticoides – mas nunca de descongestionantes nasais.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.