Coração e Vida | Dieta low carb é segura, mas não para todos - Coração e Vida

Dieta low carb é segura, mas não para todos

Falta de acompanhamento pode levar a erros que resultam em problemas nos rins e no fígado; entenda

8.07.2017 | por Elioenai Paes - Equipe Coração e Vida

A dieta low carb tem ganhado cada vez mais adeptos, atraídos pela perda de peso rápida. De fato, se bem feita, a dieta é segura e pode proporcionar um emagrecimento saudável, mas deslizes pequenos na condução dela podem colocar dois órgãos essenciais em risco: o fígado e os rins. O acompanhamento nutricional, portanto, se mostra fundamental para seguir corretamente a dieta, que prioriza alimentos in natura ou “comida de verdade”, como costuma ser ressaltado por seus adeptos.

Dieta mediterrânea reduz risco de obesidade e câncer

O especialista em Nutrição Clínica, Gilcélio Gonçalves de Almeida, explica que uma alimentação normal é dividida em carboidratos, proteínas e lipídios. Os carboidratos representam de 50% a 70% das calorias diárias, os lipídios ficam entre 25% e 30%, enquanto a proteína gira entre 12% e 15%. Na dieta low carb, a quantidade de carboidratos é reduzida e varia entre 15% e 30%, dependendo do objetivo da pessoa.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Diferentemente das dietas da proteína ou Atkins, a low carb bem-feita não retira totalmente os carboidratos e, por isso, não provoca tantos efeitos colaterais no início. A dieta da proteína, por exemplo, corta totalmente o carboidrato e faz o corpo entrar em cetose, o que, com o passar do tempo, é nocivo aos rins e pode, inclusive, provocar gordura no fígado. E é justamente esse erro que se deve evitar ao fazer a low carb, segundo nutricionistas.

Para entender melhor, Almeida explica que a principal fonte de energia do corpo é o carboidrato. Quando se tira completamente essa substância, o corpo começa a usar os lipídios (gorduras) ou proteínas para produzir energia, fazendo o organismo fabricar corpos cetônicos. “O problema é que isso é tóxico. Vai dar dor de cabeça, tontura, náuseas, insônia e deixar a pessoa irritada”, explica.

Ana Cláudia Mariano, professora do curso de nutrição do Centro Universitário Celso Lisboa, explica que qualquer dieta para perda de peso vai levar a um aumento de corpos cetônicos, mas que isso acontece em maior quantidade na low carb.

“Não é o ideal. É uma situação de estresse ao organismo, pois ele vai usar os corpos cetônicos como fonte de energia. Não é algo fisiológico”, destaca. “Para perder peso, porém, temos de usar lipídios como fonte de energia, e a low carb acaba usando essa gordura mais intensamente”, explica ela, sobre o emagrecimento mais rápido.

Almeida diz que é fundamental fazer a dieta com o acompanhamento de um profissional, seja ele nutricionista ou endocrinologista. Assim, a quantidade de carboidrato será dosada adequadamente de acordo com as necessidades diárias, evitando então a presenças de sintomas desagradáveis e perigosos em longo prazo.

“Se há privação por um longo tempo, o corpo se torna um especialista em absorção de carboidratos assim que voltamos a consumi-los, o que provoca um efeito sanfona”, alerta.

Para ter uma ideia, uma pessoa média com necessidade de duas mil calorias por dia pode ingerir diariamente uma quantidade de carboidratos equivalente a dois pães franceses, considerando o valor mínimo de 15% presente na dieta.

“Só que a gente distribui essa quantidade de carboidrato em todas as refeições do dia, para manter a massa magra, já que o carboidrato é um preservador da proteína muscular”, explica Almeida. A quantidade ideal de carboidrato para cada pessoa é avaliada pelo nutricionista, e pode variar de acordo com o metabolismo.

Quem não pode fazer

Crianças e adolescentes devem passar longe da low carb, alertam os especialistas. A proibição se dá por serem fases de crescimento, nas quais não deve haver nenhuma dieta restritiva, pois poderá prejudicar o crescimento. “Se o adolescente está acima do peso, vamos mudar seus hábitos alimentares. Conforme ele vai crescendo, vai mantendo o peso”, explica Ana Cláudia.

Se o adolescente tiver algum tipo específico de doença, como a epilepsia, aí sim essa dieta pode ser recomendada. “Sabemos que o carboidrato aumenta a frequência de convulsões, mas se não for por essa razão específica, não recomendamos a low carb, pois ele pode ter o crescimento e desenvolvimento hormonal comprometido”, detalha Almeida.

Grávidas também não devem recorrer a essa dieta, recomenda o especialista do CFN. “Não se pode fazer redução de peso em gestantes. Você controla o peso para não aumentar muito e não ter outros problemas de saúde, mas não se pode fazer grávida perder peso. As necessidades do corpo são todas alteradas, e são específicas”, orienta Almeida. “Depois do parto, pode voltar a fazer”, diz.

Idosos também fazem parte dos que devem tomar cuidado com a dieta que prioriza a baixa ingestão de carboidratos. A maior preocupação dos especialistas em nutrição é que, naturalmente, há uma perda de massa magra nessa fase, e se a dieta não for bem planejada e executada, pode agravar esse quadro.

“A perda de massa magra compromete a resposta do organismo a qualquer agente infeccioso, e aí uma pequena gripe ou um pequeno resfriado podem levar a uma pneumonia e até mesmo à morte”, alerta o especialista.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.