Coração e Vida | Doação de sangue: um ato que salva vidas - Coração e Vida

Doação de sangue: um ato que salva vidas

No dia mundial do doador, Coração & Vida faz alerta sobre a importância do gesto

14.06.2017 | por Coração e Vida

O Brasil ainda tem um número baixo de pessoas que realizam doações de sangue voluntárias e de forma constante. No Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado em 14 de junho, o site Coração & Vida faz um alerta sobre a importância do ato.

A Pró-Sangue vem registrando queda gradativa da coleta de sangue. Por conta disso, as reservas encontram-se em situação bem crítica. O estoque da fundação está 60% abaixo do patamar desejado – os sangues O+, O-, B-, A+ e A- são os mais difíceis.

Um país deve ter de 3% a 5% de doadores em relação ao total da população, segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, no Brasil, esse percentual é de 1,9%, segundo o Ministério da Saúde.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“Independentemente do número de vezes que doe, é muito importante que as pessoas o façam, para que os estoques de bolsas não sejam afetados e vidas possam ser salvas”, alerta Cássio Giannini, médico da Fundação Pró-Sangue.

O processo é simples e dura menos de uma hora. Não há riscos para quem doa e é essencial para quem espera por uma transfusão.

Não há remuneração para o ato, que pode ser realizado de forma voluntária – sem saber a quem será destinada a doação -, ou vinculada – para um parente ou amigo.

Atualmente, 75% das doações são voluntárias no Brasil. “Há algumas épocas em que o número de doações é menor, como final de ano, férias escolares e períodos mais frios. Isso impacta negativamente os estoques dos bancos de sangue”, explica Giannini.

Pessoas de 16 a 69 anos podem ser doadoras e precisam estar em boas condições de saúde (veja abaixo informações completas).

“Doadores de todos os tipos sanguíneos são necessários. No entanto, os dos tipos O, negativo e positivo são sempre os mais procurados, pois são universais, podendo ser recebidos por pessoas com todos os tipos sanguíneos”, destaca o médico.

Após a doação, a bolsa de sangue é encaminhada para o fracionamento, onde será separada em até quatro componentes. Em seguida, esses componentes são levados ao armazenamento, onde aguardarão os resultados dos exames.

No laboratório para detecção de agentes infeciosos são realizados os exames sorológicos para as seguintes doenças: Chagas, hepatites B e C, HIV, sífilis e HTLV-I/II e o teste NAT (do inglês, Teste de Ácido Nucleico) para Hepatites B e C e para o vírus HIV.

Descartadas as doenças acima, as bolsas ficam à disposição de mais de 100 instituições públicas de saúde da Região Metropolitana de São Paulo, atendidas pela Fundação Pró-Sangue, que é uma instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Para saber o local mais próximo para doação, ligue para o Alô Pró-Sangue (0800-55-0300) ou ainda faça seu agendamento pela internet: www.prosangue.sp.gov.br.

infograf_161122_Doar_sangue

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.