Coração e Vida | Doenças ou exames de rotina são capazes de desestabilizar um homem? - Coração e Vida

Doenças ou exames de rotina são capazes de desestabilizar um homem?

Para cuidar da saúde, sexo masculino precisa driblar a vergonha e a sensação de fragilidade, afirmam especialistas

17.11.2017 | por Coração e Vida

Não é raro ver relatos de que um homem doente, gripado que seja, anda pela casa reclamando, incomodado. Mas de onde vem essa onda de fragilidade, que atinge o sexo masculino quando ele se vê às voltas com médicos, remédios, exames e as questões de saúde?

Especial do mês – Novembro Azul: entenda a campanha contra o câncer de próstata
8 mitos e verdades sobre o câncer de próstata

Você sabia… Que os homens negros correm três vezes mais risco de desenvolver câncer de próstata

Tradicionalmente, a identidade masculina estava ligada a valores como produtividade, força, prover a família e os filhos.

O modelo social “exigia”, historicamente, que o homem se portasse de determinada maneira – assim como “exigia” que mulheres fossem mais delicadas e maternais, por exemplo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Quando algo muda esse panorama, entra em cena um grande estranhamento: uma doença ou mesmo exames de saúde, nesse caso, são, sim, capazes de desestabilizar um homem.

Há, inclusive, estudos mostrando que homens demoram mais a pedir ajuda quando se sentem mal. Não porque o organismo masculino opere diferente, mas porque a sociedade diz isso a eles.

“Não é biologicamente determinado que os homens procurem menos ajuda do que as mulheres”, diz o professor Glenn Good em uma pesquisa que realizou pela Universidade de Missouri a respeito dos homens e a masculinidade. “Quando essa demora acontece, significa que a culpa é da socialização e da educação: os homens aprendem a procurar menos ajuda”, diz a pesquisa.

“As mulheres são ensinadas, já há muitas décadas, a zelar pela própria saúde, fazer controles e prevenções [até por, antigamente, serem vistas como seres mais frágeis]. No caso dos homens, bem menos: mesmo com relação a campanhas, como o Novembro Azul, ainda é muito recente a ideia de que eles devam observar a própria saúde com calma e aceitação”, diz a psicóloga do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da FMUSP Andrea Torres.

Se o papel da mulher na sociedade está sendo tão revisto ultimamente, felizmente, o papel do homem também não está estacionado. Está, por sinal, carecendo de mudanças que só os beneficiarão. “Perceber que precisa de cuidados e buscar esse cuidado é o desafio masculino”, diz.

“Em geral, eles demoram mais a pedir ajuda e, quando buscam, muitas vezes é já em um quadro severo de saúde, procurando socorro no dia em que sentiram algo muito errado – e, não raro, nem acontece no pronto-atendimento médico, mas no farmacêutico ou em tratamentos caseiros”, completa.

O problema acontece desde a prevenção. Muitos homens sequer cogitam tirar um dia ou mesmo algumas horas do dia de trabalho para fazer exames de rotina, por exemplo. Esse engajamento com o emprego, aliás, é um dos fatores que fazem com que os homens ignorem a própria saúde: para muitos deles, sair da agenda profissional na casa dos 30 anos para fazer exames seria um demérito, não uma mostra de virilidade ou comprometimento.

No hospital, quando o problema já aconteceu, o padrão também é similar: enquanto as mulheres se permitem serem amparadas e até mesmo chorar, os homens muitas vezes ficam chocados de terem adoecido, negam o fato, resistem. Às vezes, entra até o quadro de depressão e de se tornarem extremamente dependentes por terem sido retirados de sua “condição de masculinidade”.

Os números, no entanto, não mentem: segundo dados da Organização Mundial da Saúde, os homens começam a sofrer infartos mais cedo que as mulheres e a população acima de 60 anos tem uma alta predominância feminina. Eles morrem mais cedo, segundo as pesquisas, porque são mais estressados, displicentes com a alimentação e com a prevenção de doenças.

“Vale lembrar que todos esses apontamentos são generalizações”, diz a psicóloga Andrea Torres. “Portanto, mesmo dentro de um grupo de homens, as tradições sociais podem existir, mas a personalidade deve se sobressair.”

Eles precisam se aceitar e ficarem seguros com isso. Quem sabe, então, os homens possam impor, daqui por diante, comportamentos mais “modernos”, que sigam em um caminho de autoconhecimento e valorização da saúde física e mental. E a gripe poderá causar menos “manha” para aqueles que aceitarem deitar, relaxar e se cuidar.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.