Doenças do coração: a prevenção começa pela boca

Infecções nas gengivas podem levar a casos de endocardite infecciosa

27.03.2017 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

Gengivas inflamadas ou cáries em estado avançado são sinais de alerta. Além de comprometerem a saúde bucal, essas condições também estão relacionadas aos casos de endocardite infecciosa, uma doença que compromete o funcionamento das válvulas do coração.

Especial do mês: Nº de doadores de órgãos bate recorde e chega a 2.983 em 2016
É cardiopata? Não descuide dos exercícios…
15 produtos que fazem bem ao coração

Aprenda a identificar um infarto
Como prevenir a hipertensão?
Cardiologistas fazem alerta para infarto em mulheres
Você sabia… Que a depressão aumenta os riscos de doenças do coração?

“As infecções nas válvulas cardíacas estão correlacionadas com problemas bucais, sendo mais comuns em pacientes que já apresentam condições anteriores no órgão e que representam 99% dos casos”, explica Itamara Lucia Itagiba Neves, cirurgiã dentista da área de Odontologia do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da FMUSP, em São Paulo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A endocardite infeciosa impacta a forma que o coração trabalha, alterando o funcionamento das válvulas e o fluxo sanguíneo. O agravamento do quadro pode levar à insuficiência cardíaca.

Como costuma afetar pacientes que já sofrem com doenças cardíacas, principalmente nas válvulas, a prevenção é ainda mais importante, evitando o agravamento do quadro. Pacientes que apresentaram problemas e foram operados também devem ter atenção redobrada.

“Normalmente, a infecção se dá por gengivites e por cáries em estágio avançado. Os dois problemas fazem com que as bactérias entrem na corrente sanguínea do paciente, iniciando o quadro infeccioso”, destaca Itamara.

Cerca de 40% a 45% dos casos de endocardite têm como origem infecções bucais. No entanto, a boca não é o único meio de a infecção chegar ao órgão, podendo também ocorrer por meio de infecções nas vias áreas e urinária.

Apesar de a doença ser mais comum em pacientes com problemas cardíacos anteriores, também pode afetar, mesmo que com menor incidência, pessoas que não tinham a condição.

Usuários de drogas injetáveis ilícitas são mais propensos a desenvolver a doença nessas condições – por uma maior exposição a bactérias e por conta do compartilhamento de seringas -, assim como idosos, devido a um envelhecimento natural dos órgãos.

Por isso, a prevenção é bastante importante, realizando uma boa escovação após as refeições, utilizando o fio dental e com consultas periódicas ao dentista.

A especialista destaca ainda que a condição da escova dental também é importante, trocando a mesma sempre que as cerdas fiquem gastas e não esquecendo de incluir na escovação a língua e a gengiva.

“Em casos de pacientes com problemas nas válvulas cardíacas, alguns tratamentos dentários requerem ainda o uso de profilaxia antibiótica, quando o paciente recebe uma dose de antibióticos com o intuito de prevenir infecções, que podem entrar na corrente sanguínea por meio de sangramentos, como uma raspagem para a retirada de tártaro”, exemplifica Itamara.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.