Coração e Vida | Doenças respiratórias: o mal do inverno - Coração e Vida

Doenças respiratórias: o mal do inverno

Com a queda da temperatura, prevenir é a palavra de ordem

2.06.2017 | por Coração e Vida

O inverno chega oficialmente em 21 de junho de 2017, Dia Nacional da Prevenção à Asma.

Especial do mês: Você sabia… Que as doenças comuns no inverno podem ser evitadas com alguns cuidados básicos?

Com o frio, a tendência é de aglomeração em locais fechados, de desentocar aquele edredom guardado há meses e de nos enrolar em cachecóis… É aí que as doenças respiratórias atacam a população, e os vírus e as bactérias, além de certos descuidos, acabam levando a filas nos prontos-socorros e a um maior número de internações.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Segundo dados registrados nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) em todo o país, apenas a chegada do inverno já faz crescer a demanda espontânea (consultas não agendadas) em aproximadamente 10% em relação ao restante do ano. Conforme o inverno avança, algumas cidades chegam a mostrar mais de 30% de aumento no volume de casos.

As pessoas portadoras de doenças respiratórias crônicas, como asma, DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) ou rinite alérgica, com maior tendência a apresentar crises, precisam ser acompanhadas de perto, porque, se agravadas, as doenças podem levar a internações.

No Brasil, estima-se que existam aproximadamente 20 milhões de asmáticos e dados do Sistema Único de Saúde (SUS) apontam que a asma é a terceira/quarta causa de hospitalização no país. O Brasil ocupa a oitava posição mundial em prevalência de asma, por exemplo, e registra cerca de 270 mil internações ao ano.

Segundo o otorrinolaringologista João Marcos Piva Rodrigues, do Hospital Paulista, as crianças e os idosos, por terem a imunidade mais baixa, são mais suscetíveis a doenças comuns no inverno, como gripes, resfriados, rinite alérgica, sinusite, faringite e bronquite, que podem estar acompanhadas de espirro, tosse, secreção nasal, coriza e lacrimejamento.

Como medidas preventivas, o médico sugere evitar os choques térmicos (frio e calor); realizar a limpeza dos olhos e do nariz com soro fisiológico para hidratar; lavar as mãos com frequência, uma vez que elas são agentes transmissores de vírus e bactérias; sempre que espirrar ou tossir, cobrir a boca e o nariz com lenços descartáveis; e ficar o mínimo possível em ambientes fechados.

“No inverno, as pessoas sentem menos sede, mas o organismo continua precisando da mesma quantidade de água, por isso a recomendação é também beber pelo menos 1,5 litro de água por dia.”

Outro fator importante nesta época do ano é o ar seco, que desidrata as mucosas do nariz, garganta e faringe, podendo também causar inflamações.

Para melhorar esse ressecamento, uma boa alternativa são os umidificadores de ar. Os ionizadores também funcionam bem para as pessoas alérgicas a ácaros e fungos.

“Uma boa sugestão é colocar uma toalha de rosto úmida no quarto”, destaca o especialista.

Segundo o otorrinolaringologista, as soluções caseiras, tais como chás, canjas, mel, própolis, entre outras, apenas ajudam a diminuir os sintomas inicias e o desconforto, mas não curam.

Como dicas, o médico recomenda que as pessoas mantenham sempre o ambiente limpo e arejado, repousem, ingiram muitos líquidos para manter a temperatura do corpo estável, além de dar preferência aos alimentos mais leves, durante o período de febre e mal-estar.

Rodrigues também alerta para a importância de procurar ajuda médica antes que uma alergia, obstrução nasal ou falta de ar se tornem algo mais sério.

“Para garantir uma saúde melhor, é necessário criar hábitos saudáveis e evitar ao máximo qualquer tipo de alérgeno, tais como cigarro, ácaros, mofo, poeira, pelos de animais e produtos com cheiros fortes [perfumes, incensos, tintas e vernizes].”

O cardiologista Roberto Kalil Filho, por sua vez, destaca que as baixas temperaturas aumentam a incidência de infarto.

“Durante o frio, é mais fácil formar um coágulo dentro da artéria. As pessoas que têm maior risco de doenças coronárias – como hipertensão, diabetes e colesterol alto -, são obesas e não fazem exercícios devem se cuidar mais nesta época”, alerta.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.