Coração e Vida | Embolia pulmonar: um mal silencioso e grave - Coração e Vida

Embolia pulmonar: um mal silencioso e grave

Atendimento rápido e eficaz é determinante, diz especialista

9.10.2017 | por Thassio Borges - Equipe Coração e Vida

A automedicação costuma ser um dos principais problemas relatados pelos médicos no que diz respeito aos erros comumente cometidos por seus pacientes. A prática de automedicar-se, no entanto, também carrega consigo um ato que, em muitos casos, pode ser fatal: a negligência ante sintomas considerados “triviais”.

Na ocorrência de uma embolia pulmonar (também conhecida como trombose pulmonar ou tromboembolia pulmonar), qualquer demora em recorrer a um pronto-socorro pode ser determinante para que o paciente consiga ou não sobreviver.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A doença é causada por uma obstrução aguda das artérias pulmonares e de seus ramos, causada por um coágulo formado no sangue. Seus sintomas, no entanto, podem variar de caso a caso e, isoladamente, correm o risco de serem confundidos com manifestações de outras doenças “mais simples”.

De acordo com o pneumologista Rafael Faraco, do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, é muito difícil especificar os sintomas da embolia pulmonar, já que a doença tem uma série de manifestações distintas. No entanto, algum deles podem ser ressaltados, especialmente para que as pessoas saibam quando devem levar seus parentes ou amigos imediatamente a um pronto-socorro.

“Dor torácica geralmente súbita, falta de ar e algumas pessoas podem ter tosse com sangue. Diante de qualquer um desses sintomas, de forma súbita, é importante ir imediatamente ao pronto-socorro”, explica o pneumologista.

Um dos principais perigos da embolia pulmonar é que, em muitos casos, trata-se de uma doença “silenciosa”. É possível, por exemplo, que o paciente comece a sentir-se muito cansado, com falta de ar e com dores no tórax, mas sem associar tais sintomas de forma imediata a uma doença que pode ser fatal.

Apenas com a persistência do quadro é que o paciente irá recorrer a um hospital, mas, dependendo da agressividade da embolia e do tamanho do coágulo, poderá ser tarde demais.

Vale explicar ainda que a embolia pulmonar pode ter relação genética/hereditária, ainda que esta não seja uma regra para o surgimento da doença, conforme explica Faraco.

“Em todo quadro tromboembólico, é importante [que seja feita] uma investigação de causas genéticas, que podem realmente ter relação genética/hereditária, mas não necessariamente”, completa.

Causas e alcance

A embolia pulmonar não é causada simplesmente por um fator. Trata-se de uma doença que guarda relação com uma série de fatores de risco, ainda que alguns prevaleçam. É o caso, por exemplo, de pessoas que passaram por procedimentos cirúrgicos mais complexos, tendo de ficar acamadas por um período mais extenso.

Sua incidência pode aumentar também durante a gravidez, mas alguns hábitos e características pessoais podem ser determinantes para a ocorrência da doença, tais como fumo, obesidade, problemas cardíacos, pressão alta, hipertensão e demais problemas cardiovasculares.

Outro fator de risco comumente associado à embolia pulmonar são as viagens mais extensas. Ao ficar muito tempo sentado, seja em aviões ou automóveis, o paciente aumenta consideravelmente a possibilidade de sofrer uma embolia deste tipo.

Isso não significa que viagens mais extensas podem isoladamente causar a doença. O que geralmente ocorre é que alguns pacientes já apresentam diversos fatores de risco antes mesmo de embarcar em um ônibus ou avião. Ao ficar sentado na mesma posição durante todo o trajeto, o paciente acaba acionando um gatilho para a ocorrência da embolia pulmonar.

Faraco menciona ainda outras questões que podem influenciar diretamente a ocorrência do problema. “Situações que levem a alterações hormonais, como gestações e pessoas que utilizam algum tipo de hormônios sexuais [contraceptivos orais], ampliam a incidência da embolia”, destacou o pneumologista.

Sobre os contraceptivos especificamente, o especialista afirma que, na prática clínica, são observados casos de embolia pulmonar associados com o uso destes medicamentos, sem que haja causa genética identificada.

Novamente, é preciso salientar que o simples uso dos contraceptivos hormonais orais não é suficiente para desencadear uma embolia pulmonar. No entanto, ao associarem-se outros fatores de risco, a chance de desenvolver uma embolia no pulmão aumenta.

Também por este motivo, o pneumologista esclarece que a embolia pulmonar não ocorre apenas em pessoas mais velhas ou somente em mulheres. “Pode ocorrer em qualquer idade, inclusive em jovens”, afirma.

Os homens também são suscetíveis à doença, embora a mulher esteja mais disposta devido à gravidez e ao uso de contraceptivos orais.

Embora guarde semelhanças com os demais tipos de trombose, a versão da doença que atinge o pulmão tem potencial de complicação maior. “Haja vista o risco de aumento da pressão da artéria pulmonar, o que pode levar em alguns casos à insuficiência respiratória e cardíaca”, explica Faraco.

Além dos sintomas já mencionados pelo pneumologista, alguns casos de embolia pulmonar podem gerar tontura, dor e inchaço nas pernas, aumento repentino da frequência cardíaca, bem como uma ampla dificuldade para respirar, que também ocorre repentinamente.

Ao perceber esses sintomas em você mesmo ou em pessoas próximas, é essencial acionar o pronto-socorro mais próximo. Conforme exposto, qualquer minuto poderá ser crucial para a recuperação.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.