Coração e Vida | Fique de olho às mudanças no calendário de vacinação - Coração e Vida

Fique de olho às mudanças no calendário de vacinação

Alterações aumentam o público-alvo de seis vacinas

16.05.2017 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

Com o objetivo de aumentar a imunização para seis vacinas que já estavam presentes no calendário, a carteira de vacinação da rede pública sofreu alterações em 2017.

As mudanças abrangem a imunização para tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, HPV, meningocócica C e hepatite A.

Especial do mês: Mitos e verdades sobre as vacinas
Apenas 27,5% do público-alvo tomou vacina contra a gripe

Você sabia… Que a má conservação das vacinas pode interferir diretamente na eficácia da ação de imunização?

Com isso, além de aumentar a proteção às crianças e adolescentes, o novo calendário tenta também manter erradicadas algumas doenças entre os adultos, como sarampo e rubéola, e evitar novos casos de caxumba e coqueluche.

“Essas mudanças no calendário de vacinação são recorrentes e assim devem permanecer, pois o ideal é que a imunização acompanhe as necessidades da população e seja ágil no sentido de prevenir doenças e manter sob controle aquelas que já foram erradicadas”, explica Maria Zilda de Aquino, infectologista pediátrica e responsável técnica pelo Centro de Imunizações do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

As vacinas são consideradas um marco na saúde preventiva e salvam milhares de vidas todos os anos, principalmente de crianças, que são mais suscetíveis aos efeitos de muitas doenças.

Com o avanço da medicina, enfermidades que podem parecer banais, como o sarampo, podem deixar sequelas graves, como a cegueira.

“A vacinação é uma das coisas mais importantes quando falamos de saúde pública e funciona muito bem no Brasil. Quando não consegue prevenir a doença, faz com que a mesma venha com menos intensidade, apresentando menor risco e melhor recuperação do paciente”, explica a especialista.

O calendário de vacinação de cada país é definido de acordo com as necessidades locais, sendo algumas doses aplicadas mais precocemente e em maior número. A imunização faz com que a criança crie maior resistência para lidar com adversidades como falta de saneamento básico, alimentação desequilibrada, invernos rigorosos ou ainda com focos da doença.

Algumas vacinas, como a de febre amarela, só são recomendadas para pessoas que vivem em regiões endêmicas ou viajarão para esses lugares, como é o caso no Brasil para quem vai para a região amazônica.

Atualmente, são oferecidas no sistema público 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e que combatem cerca de 20 doenças.

“Hoje, o calendário de vacinação pública é muito similar ao que é oferecido na rede privada –quando falamos em grandes centros urbanos, como São Paulo–, estando bastante avançado e ofertando grande parte das vacinas necessárias”, conclui Maria.

O que muda:

dTpa adulto (difteria, tétano e coqueluche acelular)

Antes: era aplicada entre a 27ª e 36ª semana de gestação, a cada gravidez. O objetivo é que os bebês já nasçam protegidos contra a coqueluche, pelos anticorpos que recebem da mãe, e tenham menor risco de contrair a doença até que tomem a vacina pentavalente com 6 meses de idade.

Hoje: a vacina passa a ser dada a partir da 20ª semana de gestação. No caso de a mulher não ter tomado a vacina na gravidez deve receber a dose até 40 dias após o parto.

Hepatite

Antes: a vacina era dada apenas até os 2 anos.

Agora: será oferecida para crianças até 5 anos (no caso de a criança não ter tomado).

HPV

Antes: a vacina, que começou a ser disponibilizada em 2014, era ofertada apenas para meninas de 9 a 13 anos.

Agora: os meninos de 12 e 13 também serão imunizados e foi ampliada para meninas de até 14 anos.

Em 2017, a vacina também passa a ser oferecida a homens de 9 a 26 anos com HIV e Aids e para imunodeprimidos, como transplantados e pacientes oncológicos.

Meningocócica C

Antes: a criança era vacinada até no máximo 2 anos.

Agora: adolescentes de 12 e 13 anos passam a ter reforço da vacina. A faixa etária será ampliada, de forma gradativa, até 2020, quando serão incluídas crianças de 9 a 13 anos.

Tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela)

Antes: a vacina era realizada em crianças de 15 meses e menores de 2 anos.

Agora: será ampliado o período de vacinação, que passa a ser realizado entre 15 meses até 4 anos.

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)

Antes: a segunda dose era oferecida apenas para pessoas com até 19 anos.

Agora: será iniciada a segunda dose da vacina para pessoas de 20 a 29 anos. A mudança ocorreu principalmente por conta dos surtos de caxumba e coqueluche que ocorreram no país nos últimos anos.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.