Coração e Vida | Incentivo de médico faz mulher parar de fumar depois de 23 anos - Coração e Vida

Incentivo de médico faz mulher parar de fumar depois de 23 anos

Cigarro pode tolher 12 anos da expectativa de vida; largar é possível com ajuda de medicações e psicoterapia

29.08.2017 | por Elioenai Paes - Equipe Coração e Vida

Uma tragada hoje, outra amanhã. Os amigos fumam e a pessoa passa a achar uma boa ideia para se sentir mais sociável. É quase sempre assim a história dos fumantes que, quando veem, estão há anos inalando uma fumaça que conta com mais de 4.720 substâncias tóxicas, sendo 43 delas cancerígenas e que podem trazer problemas graves para a saúde. Parar de fumar é a melhor opção e é um desafio possível de superar.

Quanto custa seu cigarro?

Há seis anos sem fumar, a administradora Simone Ferreira, 44, teve o cigarro como companhia diária dos 15 aos 38 anos. “As amigas da escola fumavam e eu achava lindo. As propagandas na TV eram todas com mulheres bonitas, então fumei porque achava tudo lindo e perfeito, um charme a mais.”

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O vício a fez fumar mais de oito mil maços de cigarro, atitude que poderia ter custado sua vida. O que a motivou parar com o cigarro, no entanto, foram as palavras encorajadoras de um médico.

“O verdadeiro motivo da minha parada com o tabaco foi o incentivo de um médico. Havia feito meus exames e estava tudo normal, mas ele disse que eu tinha todo perfil de uma mulher forte e decidida e que poderia fazer um esforço em parar de fumar, ou seja, ele massageou meu ego. Usei medicamento para parar, aliado a muita água gelada e força de vontade”, comemora ela.

Depois do início do tratamento com remédio, Simone não colocou mais nenhum cigarro na boca. Ela relata, porém, que sofreu bastante para lutar contra o vício nos sete primeiros dias. Nervosismo, irritação, fome e inquietação a acompanharam por mais tempo, mas a primeira semana ainda contou com dores de cabeça e boca seca. “Mantive o foco e a determinação”, comemora.

Com três meses foi perdendo o hábito de buscar o cigarro. “Além de oração pedindo força a Deus, bebia água gelada, chupava gelo, comia cenoura crua, usava bala e chiclete sem açúcar e cravo”, conta. “E suportava um dia por vez. Falava para mim mesma: ‘preciso vencer somente hoje’. Todo dia eu repetia isso.”

Até um ano, a luta que Simone enfrentou foi dura. A aversão ao tabaco só veio dois anos depois. “Hoje eu tenho nojo do cheiro, mas vem lampejos de fumar e a boca enche de água. Mas depois passa”, conta.

Simone acredita que a luta contra o vício será para sempre. “É uma mistura de amor e ódio. Digo sempre que o cigarro foi meu maior amor, mas me deu trabalho.”

O esforço, porém, foi recompensado, já que ela hoje ela sente menos cansaço, a respiração melhorou, a pele está mais hidratada, as unhas mais fortes, os dentes clarearam gradativamente e o cabelo ficou mais cheiroso.

Cigarro é coisa séria

O pneumologista do Hospital 9 de Julho Alexandre Kawassaki explica que  abandonar o cigarro sempre vai trazer benefícios à saúde. “As pessoas que já estão doentes reduzem a gravidade da doença quando param de fumar e têm uma resposta melhor ao tratamento, mesmo que seja de um câncer em estado avançado. Além disso, reduzem os efeitos colaterais da quimioterapia ou radioterapia”, conta.

O especialista comenta que quanto mais cedo parar, maior é o aumento da expectativa de vida, já que o cigarro é capaz de tolher 12 anos da vida de quem começa a fumar ainda jovem.

Abandonar o vício, porém, exige muita força de vontade, psicoterapia e até mesmo auxílio de medicações. “A chance de um fumante parar de fumar sem ajuda nenhuma é de 2% por tentativa. Quando associamos um remédio, essa chance aumenta para 30%”, comemora.

Adesivos, pastilhas ou gomas de nicotina e medicações orais fazem parte do arsenal de tratamento ao alcance dos médicos. É possível também usar a psicoterapia para aumentar a chance de parar com o cigarro.

O psicoterapeuta Samir Aniz Mourad, da Equilybra Psicologia, explica que a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma das melhores para ajudar nesse processo de abandono do vício.

“A TCC vai tratar os sintomas, aquilo que acontece na hora e faz com que você fume. A terapia vai ajudar a pessoa a evitar certos comportamentos que levam ao cigarro, mas é preciso que ela tenha força de vontade”, explica.

A terapia é importante para fazer o tabagista entender que precisa passar longe dos comportamentos que, outrora, pediam um cigarro. Se a pessoa tem o hábito de fumar enquanto toma cerveja com os amigos, é preciso parar de frequentar esses encontros até que tenha superado o vício, pois pode ser um gatilho para acender um cigarro.

“Nós temos manias, situações que fazem com que a gente procure algo. Se a pessoa tem o hábito de fumar enquanto dirige, mas não pode parar de dirigir, precisa trocar os pensamentos e substituir o cigarro por uma bala, por exemplo. A TCC trabalha a questão do treino e vai fazer com que o fumante se organize e treine comportamentos diferentes.”

Outra dica é mudar a rotina. Se a pessoa sempre acorda, pega um café e acende um cigarro, isso precisa ser alterado.

“Vamos acordar, tomar um banho e deixar o café para depois do almoço. Com isso a gente corta o gatilho do cigarro naquele momento e o organismo passa a se acostumar sem ele na rotina”, diz o psicólogo.
20160210-cigarro

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.