InCor celebra 40 anos com maturidade e motivos para comemorar

Cenário de capítulos importantes da história nacional, instituição está hoje entre as sete do mundo em números de transplantes de órgãos

17.02.2017 | por Coração e Vida

Instituições, diferentemente dos seres humanos, não envelhecem e morrem. Nascem e amadurecem. É o caso do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, que chega aos seus 40 anos, em 2017, com sinais de maturidade e motivos de sobra para comemorar.

Humanização hospitalar transforma ambiente médico em local mais acolhedor
A revolução se faz com livros – e o mundo virtual

As celebrações tiveram início nesta sexta-feira, dia 17, com a abertura do evento “Na Fronteira do Conhecimento – Formando Pessoas e Produzindo Ciência”, realizado no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo.

Centro de pesquisas, de excelência no tratamento de doenças cardiovasculares, o InCor é também a esquina onde a política e a medicina se encontram.

Ao longo de sua história, foi e continua sendo um hospital de referência para a população em geral, políticos, autoridades e personalidades do meio artístico, cultural e social. O hospital foi o cenário de capítulos importantes da história nacional. No InCor, o presidente eleito Tancredo Neves passou os últimos dias de sua vida e foi escrita uma importante página de redemocratização do País.

Abertura das comemorações pelos 40 anos do InCor - Foto: Coração & Vida

Abertura das comemorações pelos 40 anos do InCor – Foto: Coração & Vida

Ao InCor, recorria o então presidente da República José Sarney. E recorrem hoje milhares de cidadãos em busca de diagnóstico e tratamentos avançados, alguns desenvolvidos no próprio hospital. A instituição já realizou mais de mil transplantes de órgãos e salva centenas de vidas, realizando o sonho daqueles que construíram a filosofia de trabalho do InCor, como os professores Fúlvio Pileggi, Adib Jatene e Eurípedes de Jesus Zerbini.

“O InCor é um dos maiores centros de ensino e pesquisa e assistência em doenças cardiovasculares e pulmonares do mundo. Mas o principal: sou filho do InCor, são 31 anos de InCor. É a minha primeira casa”, definiu o diretor de cardiologia da instituição, Roberto Kalil Filho.

Cirurgião cardiovascular e torácico e vice-presidente do conselho diretor do InCor, Fabio Jatene destacou que a força do instituto está nos seus colaboradores e funcionários. “Sinto um orgulho enorme de pertencer ao InCor e ao Hospital das Clínicas.”

A 3ª edição do evento “Na Fronteira do Conhecimento – Formando Pessoas e Produzindo Ciência” segue até amanhã, com a participação de diversos palestrantes nacionais e internacionais.

O evento tem como objetivo atualizar o público a respeito de práticas assistenciais pioneiras nas áreas de Cardiologia, Pneumologia e Cirurgias Cardiovascular e Torácica.

Transplantes

O InCor está hoje entre as sete instituições do mundo em números de transplantes de órgãos.

Desde o primeiro transplante realizado no hospital, em 1985, foram 1.134 procedimentos até fevereiro de 2017.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A organização das equipes médicas, por meio do Núcleo de Transplantes do InCor, foi fundamental para o resultado alcançado, além do suporte da Secretaria de Saúde de São Paulo, que disponibilizou equipes multidisciplinares e helicópteros para o rápido transporte dos órgãos dentro do Estado.

Criada em 2013 como uma área focada exclusivamente em transplantes, a unidade reuniu num mesmo processo de gestão todas as equipes envolvidas neste tipo de procedimento: cirúrgica, clínica e multiprofissional de transplantes de coração e pulmão, adulto e infantil.

Segundo Kalil, a instituição poderia fazer ainda mais transplantes caso houvesse mais doadores de órgãos no país.

“Dispomos das mais modernas técnicas para o sucesso da operação, além de helicópteros para o rápido transporte dos órgãos, em intercâmbio com a Secretaria de Saúde de São Paulo. Temos estrutura para isso, o problema é o doador. Há doadores, mas precisamos de mais”, afirmou.

No início de julho de 2016, o então presidente em exercício, Michel Temer, assinou um decreto estabelecendo que a Aeronáutica colocasse um jato à disposição dos transplantes. Antes da publicação do decreto, a FAB havia realizado apenas cinco transportes de órgãos no Brasil.

Livro

livroincor

Livro sobre os 40 anos do InCor

Como parte das celebrações, a enfermagem lançou um livro comemorativo de 40 anos, com 200 páginas, distribuídas em 12 capítulos, sobre a história da formação da equipe, desde os primeiros passos até a estrutura atual da área.

Esse percurso é contado por meio de 30 depoimentos e 150 ilustrações, que se somam à pesquisa de documentos e referências institucionais.

No lançamento do livro, o presidente da Fundação Zerbini (que contribui para a manutenção e aprimoramento da estrutura de atendimento do InCor, José Antonio de Lima, expressou seu encanto pela instituição.

“Eu realmente me encantei por essa instituição logo que a conheci, porque aqui não se vê a diferença de quem é atendido por recursos públicos ou privados. Todos são tratados com muito carinho e excelência médica.”

Para o diretor executivo do Incor, Edison Tayar, o livro resgata de forma marcante um traço cultural bastante importante na estruturação da excelência do Incor.

“Eu costumo dizer que o Incor é um hospital do SUS que deu certo. Nós somos exemplo”, disse. “Isso porque o Incor tem um modelo de gestão que permitiu que seu corpo profissional se vinculasse, vestisse a camisa e se institucionalizasse na casa.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.