Coração e Vida | Medidas simples podem melhorar desconforto causado pelo refluxo - Coração e Vida

Medidas simples podem melhorar desconforto causado pelo refluxo

Cerca de 20% da população sofre com o problema

19.07.2017 | por Thiago Fraga - Equipe Coração e Vida

A doença do Refluxo Esofágico está relacionada ao retorno contínuo do ácido produzido no estômago, que segue para o esôfago, causando danos à mucosa. A enfermidade provoca um terrível desconforto e atinge cerca de 20% da população brasileira.

A situação ocorre porque o esfíncter inferior do esôfago possui um “defeito” e não se fecha totalmente, liberando a passagem do líquido gástrico. A boa notícia é que o problema possui tratamento.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A educadora física Nathalia Pacheco, 33 anos, sofreu alguns anos com a situação. “Comer era um transtorno muito grande. Eu logo me sentia cheia e a queimação que vinha em seguida era terrível. Muitas vezes eu comia e me arrependia em seguida”, relembra.

Depois de procurar um médico, Nathalia convive melhor com os sintomas, situação semelhante à daqueles que buscam ajuda de um profissional.

“Não existe cura para a doença. Além da prescrição de medicamentos, o paciente precisa tomar uma série de cuidados para não ter os incômodos provocados pela disfunção”, explica o médico gastroenterologista Antônio José Lorenzin.

O problema é que muitos pacientes demoram antes de consultar um médico.

“A maioria dos pacientes busca soluções paliativas, acreditando que o problema é pontual. Eles chegam ao consultório quando a situação está mais séria, evoluindo para uma esofagite, inflamação que atinge o canal que conduz o alimento até o estômago.”

Por isso, é preciso estar atento aos sintomas:

– Azia

– Regurgitação de alimentos ou de ácido gástrico

– Queimação no estômago e garganta

– Gengiva irritada

– Tosse persistente

– Boca amarga

– Sensação de inchaço após as refeições

– Dor de estômago

– Náuseas e vômitos

– Perda de peso

– Fezes escuras

O refluxo pode ser causado por uma série de fatores que vão desde o excesso de peso, passando pelo tabagismo, grandes refeições e ingestão de medicamentos. A disfunção ocorre também entre mulheres grávidas. Durante a gestação, o bebê pode pressionar a válvula esofágica.

Cuidar da dieta é fundamental durante o tratamento. “Se alimentar bem, evitando comidas gordurosas, condimentos em excesso, bebidas cítricas, álcool, chocolates, produtos à base de tomate, processados e bebidas gasosas, faz toda a diferença”, afirma o gastroenterologista.

Em todos os casos, o comportamento dos pacientes deve mudar para inibir o refluxo. Perder peso, deitar apenas duas horas depois de comer, evitar refeições pesadas, diminuir ou parar de fumar e elevar a cabeceira da cama em 15 cm são algumas das atitudes que amenizam o desconforto.

No caso das crianças, o refluxo é considerado normal. No primeiro ano de vida, o esfíncter do esôfago ainda está em desenvolvimento, facilitando o retorno do alimento, por isso é importante fazer o bebê arrotar após a mamada.

“Se os pais sentirem que o desconforto é constante, é necessário procurar um médico”, alerta Lorezin.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.