Coração e Vida | Mito de que mulher não sofre infarto caiu por terra, diz Roberto Kalil - Coração e Vida

Mito de que mulher não sofre infarto caiu por terra, diz Roberto Kalil

200 mulheres morrem por dia no Brasil em decorrência de problemas cardiovasculares, alerta cardiologista

26.09.2017 | por Coração e Vida

O cardiologista Roberto Kalil esclarece um dos mitos sobre a saúde cardíaca feminina, de que mulher não infarta. “Quase 360 mil pessoas morrem no Brasil [por doenças cardiovasculares] e as mulheres já ocupam 30% dessa população”, alerta. “Aumentou muito a mortalidade de mulheres por infarto e derrame cerebral nos últimos anos.”

Para ilustrar melhor, Kalil explica que 200 mulheres morrem, por dia, no país. “É seis vezes maior do que a mortalidade por câncer de mama.”

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

De acordo com ele, um dos problemas é que os sinais de infarto na população feminina são mais sutis, o que faz com que elas demorem mais para procurar ajuda médica.

“Na maioria dos casos, a mulher tem menos sintomas que o homem, então quando procura o serviço médico já está com algumas horas de infarto, ou até mesmo um dia ou dois depois de ter infartado”, conta.

“Quando uma pessoa infarta, quanto mais rápido abrir a artéria, quanto mais rápido for o diagnóstico, maior a chance de ela ficar viva e com menos sequelas a longo prazo”, preocupa-se.

Fatores de risco

Via de regra, o hormônio feminino estrógeno protege as mulheres do infarto durante a idade fértil. Com a chegada da menopausa, a chance de sofrer um evento cardiovascular aumenta, então o risco é mais elevado depois dos 50 anos, enquanto nos homens a faixa de atenção já começa aos 40 anos.

“O estrógeno protege quando as mulheres não têm fatores de risco, aumentando o HDL – colesterol bom – e diminuindo o LDL – o colesterol ruim. Essa proteção hormonal acontece desde que ela não tenha os fatores de risco importantes para doença cardíaca”, detalha.

Vários problemas favorecem o aparecimento de problemas cardiovasculares, entre eles o infarto. Colesterol alto, hipertensão arterial, obesidade, sedentarismo, diabetes, abuso de bebida alcoólica, drogas e tabagismo são inimigos do coração.

“A mulher que fuma e usa anticoncepcional tem incidência maior de trombose, de formação de coágulos nas artérias”, alerta.

Dentre todos os fatores de risco, Kalil ressalta os mais importantes: hereditário, hipertensão arterial, obesidade, colesterol alto, diabetes e o famigerado sedentarismo. “O exercício é o elixir da vida. A sua saúde está nos seus pés”, aconselha.

Além disso, o cardiologista faz um alerta para o papel do estresse no desencadeamento de infartos. A mulher que está no mercado de trabalho está sujeita a um estresse maior, além da chance maior de não fazer exercício físico e ter uma dieta irregular, além das funções em casa.

“Muitas vezes o estresse da mulher chega a ser muito maior que o do homem.”

Fazer exames de rotina é importante para afastar o risco e prevenir enquanto é tempo.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.