De passo em passo: comece a contar e ganhe Saúde

Aplicativos que medem quanto se anda todos os dias vêm ajudando a afastar o sedentarismo e monitorar melhor o corpo

8.09.2016 | por Flávia Pegorin - Equipe Coração e Vida

Às vezes acontece mesmo de nós perdermos a noção do quanto passamos os dias sentados, trabalhando na mesma posição, sem movimentar o organismo no tanto que ele precisa. Perceber esse problema, agora, é uma ação que está ganhando muitos ajudantes: pulseiras que registram nossos deslocamentos e, principalmente, aplicativos para smartphone se tornaram poderosos parceiros para entrar em forma.

São muitos os apps que já vêm instalados nos celulares – como o “Saúde” para o sistema IOS ou o “Google Fit” para Android – ou que se pode baixar de modo “avulso”, como o Stepz. O que eles fazem, assim como as pulseiras Fitbit e similares, é utilizar os acelerômetros e até o GPS dos dispositivos para monitorar os usuários e contar quantos passos se deu ao longo de cada dia (ou quilômetros, andares de escada subidos, etc.).

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Se essa contagem é um bom parâmetro? Muito bom. O educador físico e idealizador da consultoria de treinamento Run & Fun, Mario Sergio Andrade Silva, explica que os números registrados no smartphone ou outro meio são válidos porque os aparelhos, hoje, são bastante sensíveis e precisos – e porque caminhar e mexer o corpo são exercícios interessantes todos os dias, sim.

“O ideal é que o indivíduo dê ao menos 5 mil passos por dia – isso só para começar um processo de não ser considerado sedentário. A meta mesmo, no entanto, é que um adulto dê cerca de 10 mil passos diários”, explica.

A partir dos 5 mil passos, o que corresponde a mais ou menos 4 quilômetros ou meia hora regular de atividade, alguns benefícios na saúde já podem ser observados, como controle de pressão arterial.

O que os pedômetros desse tipo fazem, no fim, é se tornarem um grande estímulo para que as pessoas voltem a caminhar e se movimentar.

“Os estudos na área indicam que, a cada uma hora que a pessoa passa sentada, ela precisa ficar em pé por pelo menos 6 minutos ou dar cerca de 200 passos”, diz Mario Sergio.

Precisa mandar uma mensagem de e-mail para o colega do departamento ao lado? Que tal levantar e ir conversar com ele por alguns minutos sobre a questão, aliando o benefício de levantar e caminhar (ajudando na circulação do sangue, por exemplo)?

É isso que os dispositivos podem mostrar: que todo esforço conta. Ao fim do dia, aquele hábito de subir até o apartamento pelas escadas ou descer do coletivo uma estação antes e seguir a pé vai se mostrar um aliado na meta.

Um passo adiante

Tornar a caminhada parte do dia a dia é um hábito mesmo – e, como tal, muitas pessoas só precisam de um incentivo para começar, seja pelos aplicativos que controlam o movimento ou até uma brincadeira.

O lançamento do jogo Pokémon Go, por exemplo, sofreu alguns revezes quando surgiu (sobre a segurança, por exemplo), mas que a motivação que ele criou para muita gente mexer o corpo é inegável.

A diversão de caçar e colecionar os bichos virtuais (e até de chocar os ovos de Pokémons a cada 2 quilômetros caminhados) colaborou para incluir saídas a pé na rotina.

Como toda febre, o Pokémon Go também deve esfriar em breve – mas a ideia de estimular o exercício por meio de um aplicativo vem sendo usada de outras formas efetivas.

Mario Sergio conta que sua empresa também está lançando um aplicativo que monitora a meta de passos e, melhor, faz isso em prol de um time.

O Step Fun faz o registro de movimentos e é destinado a grupos em empresas; os funcionários instalam o app e a plataforma funciona em desafio coletivo – mostrando quem são as pessoas que mais caminharam.

“Cria-se uma disputa saudável e muito estimulante que faz bem para o corpo e para o grupo”, explica ele.

Cada companhia que adota o aplicativo pode, a partir daí, criar recompensas para os “vencedores” pelo comportamento saudável.

A empresa faz uma gestão para a saúde dos funcionários e as pessoas se acostumam a adotar o hábito de se movimentar – todo mundo ganha.

Hoje, especula-se que a ordem de pessoas sedentárias dentro dos escritórios fica em torno de 70%. E talvez a contribuição maior da tecnologia locada nos pequenos smartphones seja afastar toda essa gente do sedentarismo, do sobrepeso, dos problemas cardiorrespiratórios e de tantas doenças relacionadas.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.