Coração e Vida | Pré-diabetes não apresenta sintomas - Coração e Vida

Pré-diabetes não apresenta sintomas

Doença silenciosa exige cuidados e pode ser curada

1.09.2017 | por Thiago Fraga - Equipe Coração e Vida

O crescimento do número de brasileiros diagnosticados com diabetes nos últimos 10 anos acende o sinal vermelho para uma situação potencialmente perigosa: a subnotificação dos casos de pré-diabetes. O distúrbio não apresenta qualquer sintoma e requer exame médico para ser detectado.

A diabetes provoca o aumento da concentração de glicose no sangue e pode ser causada por duas situações. No tipo 1, a produção de insulina é insuficiente ou inexistente. No tipo 2, as células são resistentes à insulina. Nesses casos, a doença atinge pessoas com mais de 40 anos de idade.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock


A situação também pode ocorrer durante a gravidez, causada pelo aumento de peso. Enquanto uma pessoa saudável possui um nível de glicose de até 100 mg/dl, o pré-diabético tem uma taxa entre 100 mg/dl e 125 mg/dl. Valores acima de 126 mg/dl indicam diabetes.

De acordo com o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Alexandre Hohl, os casos intermediários da doença normalmente estão associados ao avanço da idade, sobrepeso e obesidade, sedentarismo e hereditariedade.

A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, divulgada em abril, demonstrou que o número de diagnosticados com a doença no Brasil passou de 5,5% em 2006 para 8,9% em 2016. As mulheres são maioria entre os afetados pelo problema.

No caso do pré-diabetes, os cuidados para barrar a evolução da enfermidade são os mesmos, independentemente do gênero.   “O tratamento é igual para todos, mudança de estilo de vida. Equilibrar o peso, fazer atividade física e mudar a dieta”, aconselha Hohl.

No caso da alimentação, cuidados básicos fazem toda a diferença. Ficam fora do cardápio fontes de carboidrato e de rápida absorção, como refrigerantes, doces e os à base de farinhas, como pães, bolos e biscoitos. Grãos em geral ficam liberados, assim como pão integral, peixe, carnes magras, vegetais, hortaliças e frutas.

Além de seguir uma dieta adequada e adotar um estilo de vida saudável, é necessário acompanhamento médico. A associação de todos os cuidados pode normalizar a glicemia, afastando o risco da diabetes.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.