Coração e Vida | Quando dar água para o bebê?

Quando dar água para o bebê?

Nutricionista ensina a idade correta para a criança ingerir o líquido

7.12.2015 | por Milla Oliveira - Equipe Coração e Vida

Um copo d´água não se nega a ninguém, a não ser que a pessoa seja um bebê de menos de seis meses de idade. O líquido desempenha funções essenciais no organismo, como a regulação da temperatura do corpo, mas os profissionais de saúde não recomendam a oferta de água para crianças tão pequenas.

Especial do mês: Como criar um filho com saúde?
Crianças sofrem de privação do sono, afirma estudioso
Você sabia… Que crianças com contato musical aprendem a ler e escrever com mais facilidade?

A recomendação parece polêmica, mas é dada diariamente aos pais por pediatras e nutricionistas. A justificativa é que o leite materno já contém a quantidade de água necessária para suprir a demanda dos bebês.

“Não orientamos os pais a fornecer água, não tem necessidade, pois o leite materno já contém uma quantidade de água suficiente para o bebê. Se o bebê com menos de seis meses tomar água, isso pode acabar prejudicando a ingestão de leite, porque a barriga vai ficar cheia de algo que não tem calorias. Dependendo da procedência da água, é capaz até de contaminar a criança”, afirma a nutricionista do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo Analisa Leite.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Nos casos em que o bebê não mama no peito e toma fórmulas artificiais, a indicação é a mesma, segundo a nutricionista. “Existe certa controvérsia sobre a fórmula infantil, mas a água que é colocada na própria fórmula já supre a necessidade da criança.” As fórmulas de leites artificiais possuem substâncias que “imitam” o leite materno e são preparadas com a adição de água.

Analisa diz que a orientação é válida também para regiões onde as temperaturas são mais altas. “Em situações assim, precisa apenas aumentar o número de mamadas, pois o leite materno é que vai prover a necessidade hídrica do bebê.” Nesses lugares, as pessoas têm a sensação de que o bebê ficará desidratado se não beber água.

No caso de desidratação por febre, diarreia ou vômito, a nutricionista recomenda que seja administrado soro caseiro ou solução para reidratação vendida na farmácia. Além disso, a mãe deve oferecer mais vezes o peito para a criança que ainda está em aleitamento. Os principais sinais de desidratação no bebê são moleira afundada, fralda seca por mais de seis horas, urina de cor amarelo escuro, boca seca e prostração.

Depois dos primeiros seis meses, a água está liberada, pois a maioria das crianças já começou a comer alimentos sólidos nessa fase. Quando essa alimentação complementar é introduzida, a dieta passa a conter mais sal e proteína e a água ajuda o rim a eliminar o excesso dessas substâncias.

Dos sete aos 12 meses, a criança deve ingerir 800 ml de água diariamente, incluindo leite materno ou fórmula, água e sucos. A partir do primeiro ano é recomendado dar mais de um litro de líquidos por dia. Depois dos oito anos, a recomendação é que a criança beba mais de dois litros de água. Essas referências têm como base os dados do IOM (Institute of Medicine), dos Estados Unidos, e são divididas por sexo e idade.

Caso a criança não queira beber água, a nutricionista indica que sejam oferecidos outros líquidos como água de coco, por exemplo. “O que normalmente a gente pode fazer é dar água de coco, que é mais docinho, mas é natural. Sucos são indicados também, mas naturais, nunca de caixinha, pois esses têm muito açúcar.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.