Coração e Vida | Sedentarismo, obesidade e câncer de mama - Coração e Vida

Sedentarismo, obesidade e câncer de mama

19.10.2016 | por Coração e Vida

Por Artur Katz

Quando se fala em câncer de mama, as pessoas sempre pensam em seu histórico familiar e procuram avaliar seu risco de desenvolverem esta doença considerando apenas esta variável. Os tumores de mama são muito comuns, ocorrendo em cerca de uma dentre cada oito mulheres (cerca de 12%).

Especial do mês: Mitos e verdades sobre o câncer de mama
Inca estima 57 mil casos novos de câncer de mama em 2016
Esclareça suas dúvidas sobre câncer de mama e amamentação
Diagnóstico precoce do câncer de mama ajuda a salvar vidas
Como fazer o autoexame da mama?

Você sabia… Que os homens também podem ter câncer de mama?

Entretanto, embora muita ênfase seja dada a este fator, apenas entre 5 e 15% dos casos estão associados à presença de uma mutação, transmissível hereditariamente.

Artur Katz é chefe do Serviço de Oncologia Clínica do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo - Foto: Divulgação

Artur Katz é chefe do Serviço de Oncologia Clínica do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo – Foto: Divulgação

Por outro lado, a imensa maioria da população desconhece que fatores ligados a hábitos alimentares e estilo de vida têm imensa importância na gênese de uma série de tumores, tais como neoplasias de mama, endométrio, colón e reto, pâncreas, esôfago, tireoide, vesicular biliar e rim.

Ao contrário dos fatores genéticos e hereditários, sobre os quais um indivíduo não tem qualquer controle, podemos atuar ativamente sobre o excesso de peso e o sedentarismo.

Um grande número de estudos mostra a relação entre obesidade/sedentarismo e aumento de risco de câncer de mama, especialmente após a menopausa.

O ganho de peso a partir dos 18 anos está consistentemente associado a um maior risco de desenvolvimento de câncer de mama após a menopausa.

A obesidade está frequentemente associada ao aumento dos níveis séricos de insulina e do fator de crescimento de insulina (IGF-1), que, por sua vez, estão associados ao aumento de risco das neoplasias mencionadas acima.

O excesso de peso está também associado a um estado inflamatório crônico e a um aumento da produção de estrógeno no tecido adiposo, que pode, por sua vez, aumentar o risco de desenvolvimento de tumores sensíveis ao estrógeno, tais como tumores de mama e endométrio.

Após a menopausa, com a interrupção do funcionamento ovariano, o tecido adiposo passa a ser a principal sede de produção estrogênica. A maior quantidade de tecido adiposo está associada a uma maior produção hormonal.

A Agência Internacional de Pesquisas em Câncer estima que cerca de 25% dos tumores de mama ao redor do mundo sejam decorrentes de obesidade e sedentarismo, dois fatores frequentemente coexistentes e indissociáveis.

Assim, nota-se que o aumento da incidência desta forma de tumor está diretamente associado a mudanças de hábitos alimentares e estilo de vida.

Estudos epidemiológicos sugerem que a realização de cerca de 3 a 4 horas de exercícios moderados a vigorosos semanalmente sejam capazes de reduzir em 30% a 40% o risco de câncer de mama em mulheres sedentárias.

Mulheres com sobrepeso ou obesidade podem ter elevação de cerca de 50% a 250% de risco de desenvolvimento de câncer de mama.

Consequentemente, é indispensável que os médicos e a população em geral, cientes deste tipo de informação, procurem conscientizar e estimular a população a adotar mudanças de hábitos que visem reduzir o sedentarismo e a obesidade.

Da mesma forma, divulgação e promoção de hábitos alimentares saudáveis devem ser promovidos e estimulados.

Vale lembrar que estes mesmos fatores de risco estão igualmente associados a um maior risco de desenvolvimento de uma série de patologias cardiocirculatórias sérias e potencialmente fatais, que constituem verdadeiros problemas de saúde publica. Por isso a importância de enfatizar a adoção de medidas urgentes de difusão deste tipo de informação e de medidas individuais e de saúde pública, visando reduzir a prevalência do sobrepeso e do sedentarismo.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.