Coração e Vida | Sua escova de dente está realmente limpa? - Coração e Vida

Sua escova de dente está realmente limpa?

Como cuidar corretamente do item e evitar infecções e bactérias

7.06.2017 | por Thassio Borges - Equipe Coração e Vida

Você a utiliza diariamente. Duas, três, até mesmo quatro vezes em um único dia. Tudo para manter os dentes e a boca limpos. O problema é que tudo isso ocorre em um ambiente que também é utilizado para nossas necessidades físicas. Dessa forma, afinal, o que fazer para evitar que a escova de dente se transforme num depósito de bactérias e possíveis doenças?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Coração & Vida consultou o infectologista Antônio Carlos de Oliveira Misiara, do Hospital Sírio-Libanês, para esclarecer as principais dúvidas referentes à utilização da escova, bem como seu armazenamento e limpeza.

Segundo Misiara, de início, é necessário levar em consideração que a escova de dente é classificada como um material inerte. Ou seja, se for razoavelmente limpa, não guardará nenhum resíduo capaz de alimentar bactérias responsáveis pelas mais diversas enfermidades. Isso não significa que a escova esteja livre de bactérias – afinal, tudo no meio ambiente contém bactérias –, mas estas estão em quantidade insignificante no que diz respeito à possibilidade de gerar doenças.

“Tudo na natureza é coberto de bactérias. A mesa em que você come, os talheres que utiliza. A questão é que estão em quantidades pequenas. Quando falamos de algo vivo, como nós, seres humanos, por exemplo, somos cobertos de bactérias. Especialmente na boca, no genital feminino, no trato gastrointestinal. Proporcionalmente, a quantidade de bactérias na boca é muito maior do que as que estão na escova de dente”, afirmou o especialista.

De acordo com ele, portanto, é muito mais provável que a própria boca contamine a escova de dente, e não o contrário.

Ao se escovar os dentes, portanto, é extremamente necessário considerar também a limpeza do próprio objeto após todo o processo. Não se deve, por exemplo, simplesmente guardar a escova após o uso e nem mesmo iniciar a escovação de imediato, sem qualquer assepsia prévia.

Antes de iniciar a escovação, o correto é limpar a escova. Este deve ser o passo inicial, antes mesmo de aplicar a pasta de dentes. Depois de utilizada, não se deve secar a escova na toalha de rosto, já que isso contribuirá para a proliferação de bactérias junto ao item. Devem-se dar algumas “batidinhas” na escova para tirar o excesso de água e posteriormente guardá-la.

O especialista, entretanto, não aponta a necessidade de grandes “malabarismos” para preservar a higiene da escova. Sua limpeza, por exemplo, pode ser feita com água corrente, da própria torneira, em um procedimento simples realizado antes e depois da escovação. “É preciso lembrar também que a própria pasta de dentes já tem ações bactericidas”, complementa.

Ainda assim, alguns procedimentos podem ser observados como meio de evitar a proliferação de bactérias na escova. Assim como você não deve, de forma alguma, compartilhar sua escova de dente, também não é recomendável manter todas as escovas da casa fechadas e armazenadas em um mesmo recipiente.

Além disso, algumas pessoas utilizam pequenas “capas”, proteções que envolvem as cerdas de modo a poder transportá-las para o trabalho ou em viagens, por exemplos. Esses capas ou estojos devem ser higienizados com mais cuidado para evitar que a umidade e o ambiente fechado contribuam para o aumento de bactérias.

Misiara ressalta, no entanto, que infecções causadas por uma escova de dente não são comuns. O que pode ocorrer com mais frequência, explica o especialista, é a infecção causada pelo escovar do dente.

“No [ato de] escovar os dentes, você acaba produzindo micro traumas na boca e então circulam muitas bactérias pelo sangue. Neste caso, há doenças associadas, como a endocardite bacteriana, por exemplo. Isso, no entanto, tem muito mais a ver com escovar o dente do que com a escova de dente”, aponta.

E o vaso sanitário? Deve ser necessariamente fechado para evitar que suas bactérias cheguem à escova de dente? Para o especialista, a resposta é não.

“É uma paranoia muito grande. Seria a mesma coisa de sair com capa de chuva ao meio-dia em um dia de sol. A chance de chover é muito pequena. Coitada da bactéria, precisaria ser [uma atleta] olímpica para sair do vaso e ir até a escova de dente. É preciso lembrar sempre que a nossa boca é mais contaminada que a escova”, afirma.

Outros objetos

A preocupação de muitas pessoas com a correta limpeza da escova geralmente não se estende a outros objetos do dia a dia que podem guardar inúmeras bactérias em condições propícias à sua proliferação. O celular, por exemplo, também precisa ser higienizado com frequência, ainda que não entre em contato direto com a boca como a escova.

“O celular é diferente porque está sendo sempre manipulado. Ele pode ter resto de pele, de suor, substâncias que se transformam em ‘comida’ para as bactérias”, explica o infectologista.

Além disso, é preciso levar em consideração que o celular é usado atualmente em todo e qualquer ambiente, nas mais diversas situações: no banheiro, em meio ao exercício físico, durante as refeições. Se após todas essas atividades as pessoas costumam lavar as mãos, tomar banho, escovar os dentes, por que não devem se preocupar com a limpeza dos demais objetos?

O especialista, no entanto, faz questão de ressaltar que não se deve considerar a correta higiene apenas dos objetos, esquecendo-se assim da própria assepsia.

Para ele, é muito difícil considerar infecções pelo simples uso do celular, do relógio e de outros objetos do dia a dia, como uma caneta, por exemplo.

“Mesmo pensando em adornos como brincos, piercings, ainda que você faça um furo na sua orelha – vencendo um dos mecanismos de resistência a infecções bacterianas que é a integridade da pele –, depois de um tempo essa pele é organizada de modo que isso não aconteça mais. Nós temos mecanismos de defesa muito elaborados para que a infecção não ocorra. A infecção de pele precisa realmente de um corte ou algo do tipo para ocorrer. A infecção no pulmão requer uma aspiração da bactéria. O celular ou outros objetos não têm bactérias suficientes para isso”, explica.

O segredo, portanto, é atentar-se à higiene de uma maneira geral, seja sua ou de suas coisas e objetos. Sem paranoias ou exageros, mas recordando que a limpeza é parte essencial para uma vida com poucas infecções, mesmo que exposta a uma infinidade de bactérias.

“O celular precisa ser limpo como qualquer outra coisa precisa ser limpa. Como os óculos, o relógio, por exemplo. Como infectologista, costumo dizer: a pessoa que cuida minimamente da higiene das coisas, cuida minimamente da higiene dela. A pessoa que não cuida de nada da higiene de suas coisas, deveria estar muito mais preocupada com a higiene dela”, explica.

Para título ilustrativo, Misiara cita o (péssimo) exemplo do sujeito que limpa o celular e não toma banho, que limpa a escova, mas não escova os dentes. “A preocupação é muito mais centrada no homem do que nos objetos que circundam o homem”, completa.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.