Coração e Vida | Conheça os tipos de câncer de mama - Coração e Vida

Conheça os tipos de câncer de mama

Tratamento e cura estão relacionados às características de cada espécie da doença

30.10.2017 | por Thassio Borges - Equipe Coração e Vida

No mês conhecido como Outubro Rosa, o Brasil inteiro volta suas atenções para a prevenção e o tratamento do câncer de mama, cuja estimativa apenas para 2017 é de 57.960 novos casos da doença.

Especial do mês – Outubro Rosa: O que é o câncer de mama?
Outubro Rosa: entenda a importância da campanha que salva vidas

Câncer de mama: mitos e verdades
Entenda o porquê de uma boa alimentação proteger contra o câncer
Os avanços para o combate ao câncer de mama
Passo a passo para o autoexame da mama
Vida longa e feliz é possível após um câncer de mama?
Diagnosticada em unidade móvel, mulher descobre a tempo câncer de colo de útero

Você sabia… Que pode reduzir o risco de ter um câncer?

Ainda que a enfermidade deva ser observada durante todo o ano, é em outubro que é possível ampliar a discussão sobre o tema, explorando dúvidas e temores relacionados a ele.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Dentre os principais aspectos desconhecidos da população considerada “leiga” no assunto está o fato de que o câncer de mama pode surgir em diferentes tipos, com características distintas entre si.

De acordo com a mastologista Melissa Veiga Felizi, do Hospital e Maternidade Brasil, as diferenças entre os vários tipos de câncer de mama são patológicas, biológicas e moleculares.

“São estas diferenças, juntamente com as características de cada paciente, que nos possibilita individualizar cada vez mais o tratamento, evitando tratamentos excessivos para pacientes com baixo risco de recorrência e garantindo um tratamento o mais completo possível para pacientes identificadas como de alto risco”, explica.

São três os principais tipos de câncer de mama:

Carcinoma ductal invasivo: trata-se da espécie mais comum, com capacidade, inclusive, de desenvolver metástase (situação na qual o câncer se espalha a partir do local de surgimento);

Carcinoma lobular invasivo: também tem a possibilidade de desenvolver metástase. É o segundo tipo mais comum e está associado ao risco de surgimento da doença na outra mama e também no ovário;

Carcinoma ductal in situ: é um câncer de mama em fase inicial, que não tem maiores chances de resultar em metástase.

De acordo com Felizi, o tratamento deve levar em consideração o tipo de tumor, o estado da doença e as características clínicas da paciente. Não há um único caminho a ser seguido para cada tipo de câncer. A especialista explica que o tratamento poderá incluir cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapia alvo e/ou hormonioterapia.

“É fundamental que o tratamento seja realizado por equipe multidisciplinar composta por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e nutricionistas”, explica a mastologista.

Enquanto a quimioterapia usa compostos químicos (quimioterápicos) e a radioterapia utiliza feixes de radiações ionizantes, a hormonioterapia trabalha com remédios para bloquear a ação de hormônio que estimulam o crescimento de células do câncer.

Já a terapia alvo tem o objetivo de atacar as células cancerígenas, mas gerando pouco dano às células consideradas normais.

O mastologista Sérgio Masili, do Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira, destaca que a identificação do tipo de câncer de mama é feita a partir de uma biópsia.

“Se a mulher teve a suspeita, seja através do exame físico, seja através do exame de imagem, ela faz uma biópsia. A biópsia irá tirar um pequeno fragmento desse nódulo e o patologista consegue primeiro afirmar se é mesmo um câncer de mama e depois, através de uma análise mais precisa, definir o tipo”, explica.

Ao definir o tipo de câncer, é possível personalizar o tratamento, tornando-o mais eficaz para as pacientes.

“Você acaba tendo uma maior taxa de sucesso, reduzindo tratamentos desnecessários. O tratamento fica mais eficiente […] e essa personalização do tratamento tem sido cada vez mais efetiva”, afirma Masili.

A cura da doença leva em consideração o tipo de câncer, mas não apenas isso. Conforme explica Felizi, assim como o tratamento depende da tríade citada anteriormente, a cura também irá variar de acordo com três fatores: o estado da doença no momento do diagnóstico, a possibilidade de realização do tratamento ideal e o tipo do tumor.

“O tratamento multidisciplinar oferece não só a possibilidade da cura, mas favorece a preservação da saúde mental destas mulheres e uma melhora importante da qualidade de vida”, complementa. É por este e outros motivos que é tão importante incentivar a realização do exame de mama. Segundo a médica, o único exame que apresenta eficácia comprovada na redução de mortalidade pelo câncer de mama é a mamografia.

“O rastreamento é realizado anualmente a partir dos 40 anos. Pacientes de alto risco para desenvolvimento da doença têm o rastreamento individualizado, com um acompanhamento mais rigoroso. O autoexame é realizado mensalmente a partir de 21 anos de idade”, explica.

Segundo o especialista, para as pacientes que menstruam regularmente, o indicado é realizar após o ciclo menstrual. Para aquelas que não menstruam, realizar em um dia aleatório do mês.

“A importância do autoexame se dá pelo maior reconhecimento do próprio corpo pela mulher e maior possibilidade de identificar eventuais sinais da doença precocemente. É uma ferramenta a mais para a vigilância do câncer. De maneira alguma deve substituir visitas regulares ao médico especialista ou a realização de exames de rastreamento”, finaliza.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.