Tireoide e obesidade

18.01.2017 | por Coração e Vida

Por Claudia Cozer Kalil

Endocrinologista Claudia Cozer Kalil - Foto: Divulgação

Endocrinologista Claudia Cozer Kalil – Foto: Divulgação

Os hormônios tireoidianos têm uma função relevante na regulação do metabolismo do organismo por atuar na termogênese e no gasto calórico. Por este motivo, no estudo das causas da obesidade, a função tireoidiana deve ser sempre avaliada.

Chamamos de taxa metabólica basal a quantidade mínima de energia que o organismo necessita para manter suas funções biológicas em repouso e jejum. O hormônio tireoidiano é um dos fatores que modula essa taxa metabólica, acelerando o gasto energético e controlando a produção endógena de calor. Mas ele não é o único. Outros fatores como sexo, idade, medicamentos e temperatura também participam dessa regulação.

Especial do mês: Abusou da comida nas festas de fim de ano?
Os prós e os contras da dieta detox

Você sabia… Que a pipoca pode ser uma aliada da dieta?

Devido a esse mecanismo, nas disfunções tireoidianas (hipertireoidismo ou hipotireoidismo), observamos variações do peso corpóreo. O indivíduo com hipotireoidismo tem uma tendência ao ganho ponderal, diminuição da termogênese e redução do gasto energético em até 50%. Em contrapartida, os indivíduos com hipertireoidismo têm exatamente o inverso.

Muitos estudos tentam relacionar o ganho de peso com os níveis hormonais (principalmente com os valores do hormônio tireoestimulante- TSH), mas não existe um valor exato que sirva como preditor do aumento progressivo do peso e do índice de massa corpórea (IMC). Em outras palavras, não podemos afirmar que quanto maior o valor do TSH maior a tendência ao ganho de peso.

Por isso, só valorizamos os valores hormonais que estejam fora do limite de normalidade para, assim, indicar um tratamento específico. Da mesma forma, não há embasamento científico para usar hormônio tireoidiano em pessoas normais, com intuito de perder peso e acelerar o metabolismo.

Isso porque o hormônio tireoidiano age em dois receptores. O uso indiscriminado e sem indicação leva a riscos eminentes, como taquicardias e arritmias, osteoporose e alteração da função cardíaca.

As perspectivas que podemos esperar nessa área é o desenvolvimento de uma submolécula seletiva do hormônio que atue somente no receptor ligado ao metabolismo, impedindo o aumento da massa corpórea e evitando os efeitos indesejáveis do excesso de hormônios.

É importante que sua tireoide seja periodicamente avaliada. Nem muito, nem pouco hormônio. O corpo precisa de equilíbrio.

* Claudia Cozer Kalil é endocrinologista e coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Deixe seu comentário

5 comentários

  1. Neusa disse:

    Dgostei da materia pois tenho hipotireoidismo. Mande mais materia sobre o assunto.eixe aqui sua Mensagem

  2. Janete disse:

    Deixe aqui sua Mensagem . Gostaria saber se dá queda cabelo, qual receita pra melhora.Muito obgdo.Tireoide.

  3. Marisa disse:

    Fiz cirurgia de tiroide mas tomo cálcio sem vitamina só que é para sempre mas tenho medo de engordar mas tenho uma hérnia na coluna mas não posso fazer nada que me recomenda

  4. Rosangela disse:

    Deixe aqui sua oi boa noite tenho hipotiroidismo fiz bariatrica perdi bastante peso mas estabilisei sera que e devido a hipotiroidismo

  5. Elizabeth Campos disse:

    Faço tratamento de tiróide já a alguns anos, qual seria a melhor referência, para hipotiroidismo, tomo puranota T4 – 75 mcg

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.