Coração e Vida | Transtornos de imagem podem levar a cirurgias plásticas desnecessárias e até perigosas - Coração e Vida

Transtornos de imagem podem levar a cirurgias plásticas desnecessárias e até perigosas

A excessiva busca pela perfeição pode ser doença e precisa ser tratada; entenda

28.09.2017 | por Elioenai Paes - Equipe Coração e Vida

Uma boa autoestima é importante para aceitar a própria imagem diante do espelho. Quando ela está trincada, porém, provoca um problema que pode levar a uma incessante busca por consertar “defeitos” que só existem aos olhos do dono do corpo. E é aí que entram as cirurgias plásticas desnecessárias e a busca por uma perfeição que jamais será atingida.

Esse problema tem nome: transtorno dismórfico corporal. De acordo com o psicólogo e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental – Equilíbrio (CASME), Yuri Busin, esse transtorno de imagem faz com que a pessoa se olhe no espelho e não enxergue a realidade.

Especial do mês: Cirurgia reparadora: uma beleza a mais
Planejando uma cirurgia plástica? Confira cuidados antes e depois

Você sabia… Que a plástica foi desenvolvida após a 1ª Guerra Mundial?

“Um exemplo é quando a pessoa está muito esquelética, mas se olha no espelho e se vê gordinha.”

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Como isso não acontece somente com o peso, mas com o rosto e outras partes do corpo, ele explica que quem sofre com esse transtorno acaba se submetendo a muitas cirurgias plásticas para consertar coisas desnecessárias e atingir a imagem que espera.

“A pessoa não vai parar nunca [sem tratamento], pois não é tão simples assim”, alerta.

Apesar de existir níveis de transtorno – alguns mais leves, outros mais graves – de forma geral, a característica principal é o descontentamento com o próprio corpo. Aqueles que não têm coragem de fazer cirurgias continuam não aceitando sua imagem refletida.

A psicóloga Vânia Calazans conta que uma boa autoestima é construída, assim como a baixa autoestima. Se focar apenas nos defeitos, a chance de ficar insatisfeito é muito maior.

“Se a pessoa passa a olhar e focar apenas no negativo, está construindo uma baixa autoestima. Isso depende muito de cada um. Muitas vezes o paciente não consegue reforçar esses aspectos bons sozinhos, aí é importante que busque ajuda para ter uma vida feliz”, recomenda.

Quando o transtorno é em um grau mais alto, as cirurgias plásticas desnecessárias aparecem.

“Se a pessoa tiver uma questão mais patológica em relação à autoimagem, está sempre em busca de um padrão ideal de corpo, dificilmente ficará satisfeita com o resultado [de uma cirurgia plástica]. A questão não está na mudança de um determinado aspecto do corpo, é uma questão mais interna, mais psíquica de insatisfação com a imagem corporal. Nesses casos, a pessoa se frustra e se decepciona”, alerta a psicóloga.

O papel do médico, nesses casos, é recusar fazer uma cirurgia desnecessária. O cirurgião plástico Wendell Uguetto explica que, com a popularização das redes sociais, houve um aumento muito grande para fazer cirurgias da face.

“Pessoas que não se incomodavam com isso começaram a pensar por causa das selfies”, conta.

Com esse aumento, houve também uma multiplicação de queixas indevidas. “Há aquele que está querendo parecer com um famoso e vai pedir coisas que não se alcança, como um nariz extremamente fino”, explica Uguetto.

“A primeira coisa é entender a expectativa do paciente e, pela experiência, já sabemos qual será o resultado final. Se é condizente com o resultado possível, perfeito. Quando não é ou quando a expectativa está muito acima, avisamos que não vamos conseguir.”

De acordo com o cirurgião, a maioria entende. O grande problema, segundo Uguetto, é quando a pessoa não entende e continua insistindo.

“O cirurgião deve dizer que não vai operá-lo, já que não será possível atingir aquele resultado. O problema é que a pessoa sempre vai conseguir alguém para fazer essa cirurgia. Vai procurar cirurgiões até achar alguém que opere, e aí vai se decepcionar com o resultado ou ter uma complicação severa, como deformidades e necrose de pele”, alerta.

Quando o cirurgião identifica que o paciente tem um transtorno de imagem, ele mesmo orienta e encaminha para um psicólogo, para fazer um tratamento antes de qualquer cirurgia. “É muito mais difícil reparar um erro. É preciso trazer uma expectativa mais realista.”

Tratamento

Quando o descontentamento com o próprio corpo invade os pensamentos com muita frequência, é hora de buscar ajuda. E essa ajuda não vem da cirurgia plástica, mas sim do consultório do psicólogo. E aí entram as terapias cognitivo comportamentais ou outras linhas que também são eficazes para tratar o problema.

Vânia Calazans explica que, em alguns casos, até o psiquiatra pode entrar em ação. “Essa insatisfação com o corpo pode desencadear outras doenças, como depressão e transtornos de ansiedade”, explica.

“Quando a insatisfação com o corpo traz prejuízos na vida pessoal, seja nas relações profissionais ou afetivas, como deixar de ir à praia, a uma festa, ou deixar de ter um relacionamento afetivo ou sexual porque está insatisfeita com a imagem corporal, ela é considerada patológica”, alerta, recomendando que a pessoa busque ajuda psicológica para superar os problemas e viver uma vida feliz.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.