Coração e Vida | Vacina também é assunto de adulto - Coração e Vida

Vacina também é assunto de adulto

Caxumba, pneumonia e outras doenças prejudicam a imunidade mesmo na fase adulta

19.05.2017 | por Coração e Vida

Para quem acha que vacina é assunto exclusivo de criança, um alerta: a imunização também poupa adultos de sofrimento. Além da vacina contra a gripe, existem outros tipos que precisam estar na carteira de vacinação dos mais crescidos.

Especial do mês: Mitos e verdades sobre as vacinas
Fique de olho às mudanças no calendário de vacinação

Apenas 27,5% do público-alvo tomou vacina contra a gripe
Você sabia… Que a má conservação das vacinas pode interferir diretamente na eficácia da ação de imunização?

As vacinas auxiliam o sistema imunológico na formação de anticorpos contra vírus e bactérias. Assim, os riscos de adquirir uma doença e ter complicações são menores, preservando a saúde e o bem-estar.

“A vacina deve chegar antes da doença. Por isso, a imunização é importante, pois o corpo cria anticorpos para defender o organismo e evitar que a pessoa adoeça”, explica Antônio Misiara, infectologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Ao ser vacinada, a pessoa desenvolve altos níveis de anticorpos para determinado vírus ou bactérias. Com o passar do tempo, essas informações são atualizadas pelo corpo sempre que se tenha contato com esses organismos novamente, por pessoas ou ambientes contaminados.

“Por isso, é preciso verificar a necessidade de um reforço da vacina a cada 10 anos, em média, como no caso da antitetânica”, explica o infectologista.

O número de casos de caxumba registrados neste ano no Estado de São Paulo já é o maior desde 2008, com mais de 4 mil registros esse ano em São Paulo.

A imunização incompleta de parte da população, que não tomou as duas doses da vacina, e o fato de o vírus estar mais atuante estão entre as razões apresentadas por infectologistas para o aumento dos surtos.

A doença é altamente contagiosa, causada por um vírus que afeta as glândulas da garganta.

Preparadas com vírus ou bactérias mortos ou vivos, mas atenuados, as vacinas estimulam o organismo a produzir anticorpos contra moléstias que podem ter consequências graves.

Graças a essa estratégia, a varíola, que provocava feridas terríveis pelo corpo, além de cegueira e morte em até 50% dos casos, foi erradicada do Brasil em 1973 e do mundo em 1980.

Confira abaixo as principais vacinas da fase adulta:

Tétano e difteria – O reforço deve ser feito a cada 10 anos para que os anticorpos continuem ativo.

Tríplice-viral – É a vacina que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Feita em duas doses, deve ser tomada por todos que nasceram depois de 1960 e nos casos também em que a imunização foi incompleta. Como a rubéola pode trazer danos para o feto, quando acomete mulheres grávidas, é preciso que quem pretenda engravidar confira a caderneta antes, no caso de ainda não ter tido a doença.

Pneumo-13 – Protege contra pneumonia. “É mais indicada para pessoas acima de 65 anos, fase em que a saúde costuma ficar mais comprometida, ou ainda para quem tem problemas respiratórios, como bronquite ou asma”, explica Misiara.

Gripe – Como o vírus da gripe sofre mutação, a vacina é atualizada anualmente, por isso precisa ser tomada uma nova dose a cada ano. O objetivo é garantir que o corpo crie anticorpos para as novas variações da doença. Para os que têm medo das reações da vacina, o médico explica: “Toda vacina pode ter efeitos colaterais, mas são muito menores do que a doença em si”.

Hepatite B – A vacina, fornecida em três doses, é normalmente dada no primeiro ano de vida da criança. Em adultos precisa ser feito o reforço.

Herpes Zóster – É indicada para pessoas acima de 50 anos, reduzindo em até 60% o risco de desenvolver o vírus, que é um tipo mais grave de herpes e causa muita dor no nervo.

Febre amarela – A vacina só é indicada para as pessoas que moram ou irão para regiões endêmica, ou seja, onde há maior risco de contrair a doença. Ela deve ser tomada a cada 10 anos. No caso de viagens ou passeios para essas localidades, a imunização precisa ser feita pelo menos 10 dias antes.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.