Coração e Vida | Veja os 7 erros mais comuns na dieta low carb - Coração e Vida

Veja os 7 erros mais comuns na dieta low carb

Resolveu aderir a esse tipo de alimentação? Fique atento para não repetir práticas que podem levar ao fracasso

2.08.2017 | por Elioenai Paes - Equipe Coração e Vida

A dieta low carb virou moda, mas quem decidiu seguir esse tipo de alimentação deve ficar de olho para não cometer erros comuns que comprometem o resultado dela. Em vez de usufruir dos benefícios já comprovados dessa dieta, os deslizes podem provocar malefícios a órgãos vitais do corpo, como coração, rins e fígado.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Veja abaixo o que pode estar saindo errado na sua dieta:

Cortar todos os carboidratos: dieta de baixo carboidrato não significa eliminá-los totalmente. Com esse erro, o corpo entrará em cetose, que pode provocar sintomas indesejados, como tonturas, dores de cabeça e até sobrecarregar os rins e fígado em longo prazo.

Exagerar na gordura saturada: o especialista em nutrição clínica Gilcélio Gonçalves de Almeida é enfático ao dizer que quem pratica low carb deve evitar gorduras saturadas e escolher as gorduras boas – monoinsaturadas –, como o azeite de oliva extravirgem.

“Isso é uma confusão que os leigos fazem, já que a gordura traz saciedade. Mas o excesso de gordura saturada é devastador para os níveis de lipídios [colesterol]. Provavelmente terão problemas coronarianos no futuro”, alerta. “Usar azeite é o macete clássico”, recomenda Almeida, que também é do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN).

Feita corretamente, explica a nutricionista Ana Cláudia Mariano, professora do curso de nutrição do Centro Universitário Celso Lisboa, a low carb pode aprimorar a sensibilidade do corpo à insulina e melhorar o colesterol.

Fazer sem acompanhamento: a quantidade ideal e a distribuição de carboidratos dentro da low carb variam de acordo com o metabolismo da pessoa, logo, seguir os parâmetros da dieta da amiga pode levar a um desbalanço, seja resultando em um atraso da perda de peso ou proporcionando um efeito sanfona depois da dieta.

Comer todo o carboidrato do dia em uma só refeição: não é porque está liberada uma quantidade “x” de carboidratos durante o dia que eles podem ser consumidos em apenas uma refeição.

Se a quantidade não for distribuída e as outras refeições não contarem com um pouquinho de carboidrato – ele ajuda a preservar os músculos -, o resultado será a perda de massa magra, o que ninguém deseja dentro de uma dieta.

Escolher carboidratos errados: se é para comer carboidrato, que seja um de boa qualidade. Nessa lista dos bonzinhos estão presentes mandioca, inhame, batata doce com casca, banana da terra, massas integrais e a dupla inseparável do arroz e feijão.

“O índice glicêmico do feijão é baixíssimo, e a combinação dele com arroz – na proporção de duas medidas de arroz para uma de feijão – carrega todos os aminoácidos essenciais que não conseguimos sintetizar no corpo”, explica Almeida.

“Há uma pesquisa que mostra que a obesidade no Brasil cresce inversamente proporcional à medida que paramos de comer feijão com arroz. Isso mantinha o brasileiro magro, e, além disso, o feijão tem triptofano, precursor da serotonina que deixa a gente feliz. Estamos abrindo mão de sermos felizes e magros para sermos obesos e mal humorados”, brinca o nutricionista.

Ele esclarece que, nas quantidades corretas estipuladas por um nutricionista, essa dupla bem brasileira pode ser consumida na dieta low carb.

“Furar” a dieta o tempo todo: se a tentação for grande e a vontade de comer um pão francês não for embora, colocar um queijo branco – por mais que isso aumente as calorias ingeridas – é ainda uma ideia melhor do que consumir a farinha branca pura, pois a proteína retardará a absorção do carboidrato pelo organismo.

“O ideal é usar bons carboidratos, com índice glicêmico baixo”, explica o especialista em nutrição. “Esses carboidratos liberam açúcar lentamente para o sangue, com isso não sobrecarrega o pâncreas na liberação de insulina.” Quanto menor for o índice glicêmico, melhor o carboidrato.

Não se hidratar: Ana Cláudia Mariano explica que a low carb pode levar à desidratação por causa da eliminação maior dos corpos cetônicos pela urina. Lembrar de beber água durante o dia é ainda mais fundamental quando se segue essa dieta.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.