Coração e Vida | Você sabia que alguns itens têm prazo de validade? - Coração e Vida

Você sabia que alguns itens têm prazo de validade?

Biomédico explica como identificar o momento da troca de objetos que não contam com prazo de validade no rótulo, como travesseiro e esponja de banho

28.06.2017 | por Camila Sotério - Equipe Coração e Vida

É facilmente possível saber quando o prazo de validade de um alimento venceu. Além dos aspectos visuais, gosto e cheiro são alguns indicativos de que ele estragou. Mas essa percepção é um pouco mais difícil quando os itens em questão são objetos que não contam com prazo de validade no rótulo.

Neste caso, como saber se algo ainda está bom e em condições de uso, já que são locais ideais para a proliferação de fungos, bactérias e ácaros?

Esses seres microscópicos fazem parte do nosso dia a dia e não tem como imaginar uma vida sem eles, sendo, inclusive, muitas vezes importantes para manter nossa saúde em dia e a imunidade em alta. O problema está no excesso deles.

“Você nunca vai conseguir uma casa estéril. O que se deve fazer é manter ela limpa, livre de germes que poderiam implicar em infecções ou doenças”, explica o biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria.

O travesseiro, por exemplo, deve ser trocado a cada dois anos. O especialista explica que o item abriga uma grande quantidade de ácaros vivos, mortos e fezes dos ácaros que vão implicar em problemas alérgicos, como rinite e asma.

“Saiba a vida útil de cada objeto, respeite este prazo e mantenha-os protegidos, como os travesseiros, por exemplo, dentro de protetores. Para os pisos e azulejos, use água com detergente para lavar, enxágue e depois passe pano com água sanitária”, aconselha o Dr. Bactéria.

Confira abaixo 10 objetos de uso bastante comum e algumas dicas para identificar o seu momento certo de troca:

Travesseiro – dois anos

Deve ser trocado a cada dois anos. Para uma melhor conservação, mantenha envolvido por capa protetora de algodão por fora e impermeável na parte interna. O objeto acumula ácaros, que podem desencadear problemas respiratórios.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Colchão  

O de espuma deve ser trocado a cada três anos, o de molas, de 7 a 10 anos. O problema é o mesmo dos travesseiros, acúmulo de ácaros. Para melhor conservação, também manter envolvido por capa protetora de algodão por fora e impermeável por dentro.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Escova de dente – até três meses

A dos adultos deve ser trocada a cada dois ou três meses. Já a das crianças todos os meses, já que elas tendem a morder as escovas. O Dr. Bactéria indica ainda trocá-las também após quadros de doenças respiratórias (gripe, resfriado, pneumonia e dor de garganta) ou digestivas (aftas, sapinhos e gastrite). “Após cada escovação, é aconselhável aspergir as escovas com solução de gluconato de clorexidina a 0,12%, além de mantê-las em copos, com as cerdas para cima”, orienta.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Esponja de banho – um mês 

O biomédico orienta a não usar esse item. As esponjas acabam retirando a camada de proteção natural da pele e também podem acumular fungos e bactérias. Mas, no caso de optar pelo uso, deve-se trocar a cada mês, usar uma por pessoa e manter o item seco.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Paninho de pia

Sabe aquele paninho que muitas pessoas usam na pia da cozinha para secar a pia ou limpar as bancadas? Então, ele acumula muitas bactérias e fungos, já que costuma permanecer molhado e úmido. Para seguir com esse hábito, o indicado é trocar a cada uso e sempre que estiver molhado.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Esponja de lavar louça

A esponja de louça deve ser trocada semanalmente. “Dê preferência por uma que tenha íons de prata adicionados, pois a mesma se auto desinfeta”, alerta. O problema aqui, além de bactérias, que se alimentam dos restos dos alimentos, são também os fungos.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Pano de chão

Deve ser lavado e desinfetado após cada uso, para que não cumule fungos, vírus e bactérias. A hora de trocar é quando está começando a soltar fiapos.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Escova de cabelo

O item não precisa ser necessariamente trocado com frequência, mas sim higienizado corretamente. “A sugestão é que a cabeça do objeto seja mergulhada em água morna com shampoo por 15 minutos. Depois, precisa ser colocada em água corrente fria ou morna. Não é recomendado utilizar detergente, vinagre ou álcool para limpar sua escova”, explica. Depois de limpa, é preciso esperar secar bem antes de guardá-la. Isso evita coceiras e alergias no couro cabeludo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Tábua de cortar alimentos 

O especialista não recomenda usar as de madeira, que têm maior risco de contaminar os alimentos. As de plástico devem ser lavadas após o uso e desinfetadas com vinagre puro ou solução de 2 colheres de sopa de água sanitária por litro de água. Devem ser trocadas assim que apresentar muitos riscos e modificação da coloração, que não retorna a cor natural mesmo após lavagens adequadas. As de vidro devem ser trocadas assim que trincadas ou quebradas.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Roupas íntimas (calcinha, cueca) – um ano 

A duração desses itens depende muito da forma de uso, manutenção, lavagem, cuidados e frequência de uso. As próprias peças são sinal de que é hora de serem substituídas, principalmente com a perda da elasticidade. Mas para quem ainda tem dúvida, o prazo médio de validade é de um ano.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.