Coração e Vida | 10 perguntas comuns no consultório do pediatra - Coração e Vida

10 perguntas comuns no consultório do pediatra

Especialista responde a dúvidas dos pais de “primeira viagem”

26.12.2016 | por Coração e Vida

É normal meu filho pegar tanto resfriado? Onde devo levá-lo para tomar vacinas? Até quando ele pode usar a chupeta? Essas e outras perguntas são corriqueiras no dia a dia dos consultórios de pediatria, a maioria feita por pais de “primeira viagem”.

Especial do mês: Por uma maternidade mais livre
Você sabia… Que a alimentação saudável deixa as crianças mais inteligentes?
Artigo: Quando suspeitar que seu filho está com algum problema no coração?

O pediatra José Gabel, médico do Hospital Israelita Albert Einstein e integrante do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria, ajudou a responder a essas e outras dúvidas. Confira:

Em qual posição a criança deve dormir no berço?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Estudos para morte súbita em bebês comprovaram a diminuição do risco de morte em crianças que dormiam de barriga para cima. Dessa maneira, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que bebês sejam colocados no berço de barriga para cima.

Após o desmame, quais os primeiros alimentos que devem ser incluídos na dieta infantil?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Em geral, a alimentação complementar da criança é iniciada após o sexto mês de ida, e através de frutas in natura e papas de legumes, contemplando a pirâmide alimentar, composta por sais minerais, verduras, legumes, proteínas e gorduras.

Como saber a quantidade correta de amamentação?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Não há como saber a quantidade correta de amamentação.  Em geral, sintomas clínicos, ganho de peso, crescimento adequado e funções fisiológicas presentes são indicativos de uma quantidade de volume de leite materno suficiente para o bebê.

É normal ter refluxo?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Quando falamos de refluxo e regurgitações, devemos ter  em mente que a maioria das crianças apresenta regurgito e refluxos com frequência, e é um estado fisiológico que melhora muito à medida que a criança cresce. Cerca de 90 % dos casos de refluxo são fisiológicos.

Por que agasalhar o bebê pode causar febre e desidratação?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O excesso de roupa pode produzir e armazenar calor e criar uma “falsa” febre. Por isso, diante de uma criança com febre, é importante verificar se ela está com roupas confortáveis e que não acumulem ou armazenem calor.

Há um número razoável de resfriados que a criança pode pegar durante o ano?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Estudos mostram que crianças saudáveis podem ter até 10 infecções no ano, principalmente aquelas que frequentam escolas, berçários e creches desde muito cedo.

Existem vacinas que devem ser ministradas especificamente em clínicas particulares e outras que podem ficar a cargo dos postos de saúde?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O calendário vacinal proposto pelo Ministério da Saúde contempla uma grande parte das vacinas que se encontram no mercado, mas existem vacinas que somente são realizadas em clínicas privadas. É importante seguir as recomendações do pediatra e, na medida do possível, fazer as vacinas que porventura não estejam no calendário do governo.

Até qual idade não é errado utilizar chupeta?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A criança, especialmente em seu primeiro ano de vida, tem uma necessidade fisiológica de sucção. Além da amamentação, que garante a sua sobrevivência, a sucção também promove a liberação de endorfina, um hormônio que produz um efeito de modulação da dor, do humor e da ansiedade, provocando uma sensação de prazer e bem-estar ao bebê. De acordo com o Ministério da Saúde, a idade que deve ser estabelecida como limite para a o uso da chupeta é 3 anos, mas sua eliminação deve ser iniciada por volta do 2 anos para um melhor desenvolvimento da arcada dentária. Em estudo de revisão multidisciplinar publicado no Jornal de Pediatria em 2009, buscou-se na literatura prós e contras do uso de chupeta e chegou-se à conclusão final de que foram encontrados mais efeitos deletérios do que benéficos. Desta forma, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que os pais tenham claramente esta visão de “prós e contras” do uso da chupeta, para que, junto ao seu pediatra, possam tomar uma decisão informada quanto a oferecê-la, ou não, aos seus bebês.

Quando incluir a pasta dental com flúor na limpeza bucal?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

A maioria dos cremes dentais indicados para a faixa etária 0 a 5 anos não contém flúor, mas a Academia Americana de Pediatria orienta que os primeiros dentes dos bebês devem, sim, ser higienizados com cremes que possuem esse elemento na fórmula. No Brasil, a pasta com flúor tem seu uso orientado a partir dos seis anos de idade ou até mesmo por crianças menores que corram um risco maior de ter cárie. A Sociedade Brasileira de Pediatria, em concordância com as recomendações da Academia Americana de Pediatria, recomenda que crianças a partir do primeiro dente usem uma escova macia e uma quantidade de pasta que equivale a um grão de arroz.

Quando a criança deve aprender a lidar com dinheiro?

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O processo de aprendizado deve começar assim que a criança entenda o que é o dinheiro e para que ele serve, o que ocorre a partir dos 3 anos de idade. Os pais podem estimular a poupança com os antigos cofrinhos, mais conhecidos como porquinhos. É gratificante, pois as crianças poderão conseguir comprar o que quiserem com as economias.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.