Coração e Vida | 1º de julho: Dia da Vacina BCG - Coração e Vida

1º de julho: Dia da Vacina BCG

Seguro, imunizante foi desenvolvido em 1921 e até hoje é a principal proteção contra a tuberculose. Especialista fala sobre a importância da vacina

1.07.2019 | por Equipe Coração e Vida

 

vacina_

FOTO: shutterstock

Você sabia que a tuberculose está entre as doenças que mais matam no mundo? De acordo com dados do Ministério da Saúde, somente em 2018, foram registrados 72.788 novos casos, no Brasil.

Transmitida por meio da saliva ou materiais contaminados pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, a doença infectocontagiosa ataca principalmente os pulmões – podendo também ocorrer em outros órgãos. E é exatamente para prevenir essa grave infecção que todas as crianças, ainda nos primeiros dias de vida, devem tomar a vacina BCG (Bacilo Calmette-Guérin), popularmente conhecida como a vacina da “marquinha” — pelo fato de deixar uma marca característica no braço, local da aplicação.

Mais:
Crianças: conheça 10 passos para uma alimentação saudável

Crianças: açúcar não deve ser consumido até, pelo menos, 2 anos de idade

Desenvolvida pelos pesquisadores Camille Guérin e Albert Calmette, em Paris, na França, a vacina começou a ser produzida em 1921 e é a primeira do Calendário Nacional de Vacinação, do Ministério da Saúde.  A médica pediatra do Núcleo de Pediatria do Hospital Sírio Libanês, Gilda Porta explica que os pais devem sempre vacinar seus bebês. “A tuberculose ainda é muito presente no Brasil, o que torna a vacina extremamente importante”, diz a especialista.

Idade vacinal
Ofertada de graça em postos de saúde de todo o Brasil, o Ministério da Saúde tornou obrigatória a administração da BCG em crianças, desde 1976. Recomenda-se que seja aplicada entre 0 e 4 anos, de preferência no bebê recém-nascido. Até o início desse ano, a Organização Mundial de Saúde recomendava que fosse feita uma segunda dose da vacina em crianças que não ficassem com a cicatriz usual da vacina. Mas, a orientação mudou. Novos estudos comprovaram a eficácia do imunobiológico também em crianças que não ficam com cicatriz depois da vacina. A nova recomendação do Ministério da Saúde está alinhada com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI).

Contraindicação
A vacina, no entanto, apresenta algumas contraindicações, tais como para crianças com peso inferior a 2kg, imunodeficientes, desnutridas, com erupções cutâneas generalizadas e que estão realizando tratamento com corticoides. Atualmente a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda apenas uma dose da vacina, uma vez que a segunda dose não provoca aumento considerável na proteção.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

 

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.