Coração e Vida | Entenda a doença incurável que afeta o filho do cantor Leonardo

Entenda a doença incurável que afeta o filho do cantor Leonardo

Saiba o que é espondilite anquilosante, primeiros sinais e tratamento

30.10.2019 | por Equipe Coração e Vida

 

FOTO:  shutterstock

FOTO: shutterstock

Por Sofia Pilagallo

Na última quarta-feira (23), o cantor Zé Felipe, filho do sertanejo Leonardo, publicou em sua rede social Instagram que tem enfrentado fortes dores nas articulações, joelhos, pés e costas. “Desde julho sentindo dor, indo ao médico e eu não sabia o que era”, revelou o cantor, antes de receber o diagnóstico: espondilite anquilosante.

Trata-se de uma doença ainda pouco conhecida, inflamatória e incurável. De acordo com a reumatologista do Hospital Sírio-Libanês e doutora em reumatologia pela Universidade de São Paulo (USP) Waldenise Cossermelli, a patologia afeta principalmente coluna e bacia, mas também pode atingir tendões, ligamentos e articulações.

Mais:
Melanoma: entenda o tipo de câncer que vitimou o cantor Roberto Leal

De acordo com a especialista, a doença está relacionada a presença do gene HLAB27 e é desencadeada por gatilhos ambientais, a exemplo de bactérias do trato digestivo e urinário, causando uma inflamação irreversível.

Apesar de incurável, a doença tem tratamento. Uma das alternativas é fazer uso dos chamados imunobiológicos, medicamentos que agem contra moléculas específicas causadoras da doença — e que mudaram muito o prognóstico da espondilite anquilosante.

Entre os primeiros sinais da doença estão dores na lombar. “Essa dor tem característica de inflamação, ou seja, não melhora com o repouso. O paciente acorda com dor e pode permanecer com limitação da função da coluna por horas, a chamada rigidez matinal”, explica Waldenise.

Mais: 
Asma: a doença que vitimou Fernanda Young

Ainda não se sabe exatamente porquê, mas a espondilite atinge mais homens do que mulheres, entre o final da adolescência até, em média, os 40 anos de idade.  O diagnóstico precoce é importante para evitar a progressão da doença que, se não tratada, pode incapacitar o paciente. O cantor se mostrou otimista: “Acho que a gente tem que reclamar menos e agradecer mais. Eu estou agradecido por ter condições de fazer o tratamento e cuidar disso aí”.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.