Coração e Vida | 7 maneiras de controlar a difícil hora da birra - Coração e Vida

7 maneiras de controlar a difícil hora da birra

Gritar com a criança só piora a situação; veja outras alternativas

15.03.2018 | por - Equipe Coração e Vida

Não é raro que, quando o filho entra em “modo birrento”, os pais perdem a calma junto. E tudo vira um grande terror. Há, porém, estratégias simples que podem desativar esse tipo de situação e incentivar a cooperação entre pais e filhos. Não gritar com a criança é um exemplo.

“Esses chiliques são terríveis mesmo, momentos desagradáveis da rotina, mas são um fato na infância de quase qualquer família”, diz a psicóloga infantil Silvana Almeida, de São Paulo.

Abraçar a criança é uma das formas de controlar a birra. Foto: Shutterstock

Abraçar a criança é uma das formas de controlar a birra. Foto: Shutterstock

“Aqueles com idades entre 1 e 4 anos, é bom lembrar, ainda não desenvolveram boas habilidades de enfrentar frustrações. Eles tendem a simplesmente perder a razão em vez disso”, explica.

E o que, exatamente, desencadeia a birra? “Para as crianças entre 1 e 2 anos, muitas vezes, é resultado da tentativa de comunicar uma necessidade [mais leite, um brinquedo desejado], mas sem habilidade linguística para fazer isso”, diz Silvana.

Para crianças mais velhas, birras são mais uma luta de poder. “No momento em que as crianças completam 3, 4 anos, elas estão conscientes de suas necessidades e desejos – e querem afirmá-los mais. Se o adulto não cumprir? Grande chance de birra.”

Então, como é possível parar essas explosões? Veja 7 alternativas para lidar com isso.

1. Faça a prevenção da birra

Defina, por exemplo, o tempo da brincadeira com seu pequeno e deixe que ele assuma liderança na escolha da atividade. Dê atenção de verdade.

Ter essa experiência positiva compartilhada dá à criança uma base melhor para acalmar na próxima vez que ela ficar chateada.

2. Não tente acalmar forçadamente

Ignore um pouco o chilique (a menos que ele esteja se machucando ou machucando outros, claro). Ao tirar a atenção, você vai tirar o reforço do comportamento indesejável.

Saia da sala por alguns minutos e volte só para verificar dali uns minutos. Se ele(a) começar a bater, chutar, morder ou jogar coisas, pare tudo imediatamente e retire a criança da situação. Deixe claro que ferir a si ou os outros não é aceitável.

Leia também: 10 dúvidas sobre o desenvolvimento infantil

3. Quanto mais a criança gritar, mais suave se deve falar

Seu filho vai subir o volume – porque, em última instância, ele quer te ver envolvido na coisa toda. Se acontecer em local público, leve para fora.

Tente oferecer a opção de sentar em um banco ou no carro enquanto ele se acalma. Para algumas crianças, isso ajuda, porque a falta de controle é justamente a razão da explosão.

4. Tente de verdade entender o motivo

A criança pode usar palavras para lhe dizer o que ela precisa ou quer, mas isso não significa que a birra vai cessar. Lidar com as emoções requer um ajuste – e precisar de ajuda pode ser frustrante para eles, como cumprir a tarefa de amarrar sapatos.

O que começa com raiva, então, vem na verdade da tristeza. Entender a situação, assim, pode ser a luz no final do túnel.

5. Ofereça comida ou descanso

Estar cansado e com fome são os dois maiores gatilhos da birra. Os pais muitas vezes me perguntam por que seu filho está tendo colapso todo dia – e, às vezes, é na mesma hora do dia, antes do almoço ou da soneca, no início da noite. Não é coincidência!

Reveja a rotina, alimente na hora certa, dê um banho mais cedo, conforte.

6. Dê um sorriso

Todo pai tem medo dos julgamentos públicos, claro – que os outros vejam a birra e pensem que aquela criança é uma peste ou os pais são fracos. Focar nisso só nos leva a escolhas erradas.

Crianças, mesmo pequeninas, são inteligentes: quando o adulto fica com raiva e as pessoas comecem a olhar, ele vai aprender isso e pensar “opa, funciona”. A melhor aposta é controlar a si mesmo e lembrar que a única coisa que será julgada, pelos demais e pelos seus filhos, é a sua reação. Sorria para a criança assim que puder, esteja no comando.

7. Abrace firme

Sim, parece a última coisa bacana de fazer quando a criança está enlouquecendo. Mas realmente pode ajudá-la a se restabelecer. E dê um abraço firme mesmo, caloroso, não um abracinho.

Não precisa dizer nada, não é uma batalha de vontades. Abraços fazem as crianças se sentirem seguras e saber que os pais se preocupam com elas mesmo quando não concordam com seu comportamento. Às vezes, eles só precisam de um lugar seguro para descansar suas emoções.

Leia mais: Tire suas dúvidas sobre transtorno do déficit de atenção e hiperatividade

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.