Coração e Vida | Abril azul: saiba mais sobre o autismo

Abril azul: saiba mais sobre o autismo

Diagnóstico precoce contribui para o bom desenvolvimento da criança

2.04.2019 | por Equipe Coração e Vida

Hoje é celebrado o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, transtorno do neurodesenvolvimento infantil que se caracteriza por dificuldades na interação social e na comunicação, além de comportamentos repetitivos e interesses restritos. O mês, chamado de Abril Azul, é dedicado ao entendimento sobre a condição, que atinge uma a cada 59 crianças.

De acordo com a psicóloga e PhD em neurociência Maria Alice Fontes, os comportamentos repetitivos muitas vezes se manifestam pelo interesse intenso e focalizado em um assunto em particular. “As crianças também podem apresentar movimentos corporais estereotipados, como agitar as mãos, além de sensibilidade aumentada a sons, cheiros ou texturas”, diz a especialista.

Sinais do transtorno do espectro autista podem aparecer nos primeiros meses de vida - Foto: Shutterstock

Sinais do transtorno do espectro autista podem aparecer nos primeiros meses de vida – Foto: Shutterstock

Tratamento precoce

Maria Alice explica que o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma desordem que acompanha o indivíduo ao longo da vida. “O quanto antes os pais começarem uma estimulação adequada, melhor poderá ser o prognóstico”, diz.

“Você não pode mudar o fato de que uma pessoa tem autismo, mas o apoio pode melhorar significativamente a capacidade de uma criança ser bem-sucedida em todas as áreas da sua vida. Esse suporte é chamado de intervenção. Intervenção intensiva e terapia podem ajudar muito.

Até o momento, não se sabe cientificamente o que pode provocar o autismo, porém, tanto causas genéticas como ambientais podem estar envolvidas. “É uma causa multifatorial”, diz Maria Alice.

“Dependendo do fator de influência e das redes neuronais afetadas, há um tipo de funcionamento diferente do outro, então cada criança é diferente da outra, podendo ter traços mais leves ou mais acentuados, indicando se a criança vai precisar mais ou menos de intervenção”, completa a especialista.

Há diferentes graus

O diagnóstico do autismo é feito por meio da avaliação de uma série de comportamentos dentro de um espectro, ou seja, em graus dentro de um contínuo. “A avaliação da criança é feita de acordo com a quantidade de sintomas característicos de autismo apresentados, e classificados desde sem sinais de autismo, passando por grau leve, moderado e severo”, detalha Maria Alice.

A psicóloga explica que o que difere um grau do outro é a quantidade de sintomas e quão comprometida funcionalmente está a criança.

“Por exemplo, se uma criança tem apenas alguns sinais de dificuldade sociais, problemas leves de linguagem e poucos comportamentos típicos, ele pode ter um grau leve. Entretanto, se a criança tem vários comprometimentos característicos de autismo com problemas severos de interação social, ela pode ter um grau de moderado a severo dentro do espectro”, explica.

Sinais podem aparecer nos primeiros meses de vida

Crianças que têm TEA já começam a demostrar sinais nos primeiros meses de vida. “Elas não mantêm contato visual efetivo e não olham quando você chama. A partir dos 12 meses, por exemplo, elas também não apontam com o dedinho. No primeiro ano de vida, demonstram mais interesse nos objetos do que nas pessoas e, quando os pais fazem brincadeiras de esconder, sorrir, podem não demonstrar muita reação”, explica a especialista em neurociências.

No entanto, a psicóloga diz que a qualidade de vida de muitas crianças e adultos pode ser significativamente melhorada por um diagnóstico precoce e a indicação de tratamento.

O diagnóstico do autismo é clínico, feito por meio de observação direta do comportamento, e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. “Os sintomas costumam estar presentes antes dos três anos de idade, sendo possível fazer o diagnóstico por volta dos 18 meses de idade”, explica.

De acordo com a psicóloga, a tendência é que a maioria das pessoas não perceba o quadro até os cinco ou seis anos, quando as habilidades sociais e de comunicação estão muito bem estabelecidas na maioria das crianças, destoando da criança com autismo.

“Por isso é comum que os pais escutem que seus filhos de dois ou três anos não apresentam nenhum problema. Habitualmente, pessoas que conhecem o quadro têm mais capacidade para reconhecer as diferenças de comportamento em crianças pequenas”.

Para identificar se a criança é autista, são analisados os critérios abaixo:

– Capacidade de socialização
– Imitação de sons, palavras e movimentos
– Resposta emocional apropriada para a idade, por meio da expressão facial e postura corporal
– Agilidade e expressão motora
– Interesse adequado em brinquedos e outros objetos relativos a seu nível de desenvolvimento
– Capacidade de adaptação a mudanças
– Uso do olhar, audição e tato de forma apropriada para a idade
– Uso apropriado dos sentidos para explorar novos objetos
– Autorregulação, medo e nervosismo apropriados para a idade e situação
– Comunicação verbal e não verbal apropriadas para a situação e idade
– Inteligência em várias áreas de forma equivalente e não somente em uma única área

+ Leia também: Mitos e verdades sobre as vacinas

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.