Coração e Vida | Alimentação infantil: vale premiar ou castigar? - Coração e Vida

Alimentação infantil: vale premiar ou castigar?

Pais não sabem como proceder diante de crianças que comem pouco ou mal

20.03.2018 | por Thassio Borges - Equipe Coração e Vida

Alguns pais desenvolveram o hábito de oferecer “prêmios” para que os filhos comam aquilo que está à mesa, ou então para que “raspem o prato”. O principal receio dos responsáveis é que a criança coma pouco ou de forma irregular.

A recomendação dos especialistas, no entanto, é justamente o contrário. De acordo com a nutricionista Simone Ferraz, especialista em Nutrição Pediátrica, o hábito de premiar ou punir a criança diante da refeição é comprovadamente prejudicial.

Respeitar a fome e a saciedade da criança previne transtornos alimentares futuros, além de obesidade. Foto: Shutterstock

Respeitar a fome e a saciedade da criança previne transtornos alimentares futuros, além de obesidade. Foto: Shutterstock

“A comida não é moeda de troca. Castigar também é errado. A criança que deve decidir o quanto vai comer. O papel dos pais é decidir que alimentos comprar, quando e onde será oferecida a comida”, explica a médica, que destaca ainda o fato de as crianças nascerem dotadas da capacidade de autoregulação do apetite.

A especialista explica que esse comportamento dos pais vem prejudicando os próprios filhos ao longo dos últimos anos. Premiar ou castigar o filho para que ele se alimente pode desregular o mecanismo de fome e saciedade, fazenda com que a criança deixe de reconhecer se está saciada ou não. O resultado poderá ser a ingestão excessiva de alimentos, o que levará ao ganho de peso também excessivo ao longo de seu crescimento.

Exemplo vem dos pais

Quando a criança apresenta resistência para comer (ou então a determinado alimento), é comum que alguns pais forcem a alimentação.

De acordo com Simone, no entanto, o hábito não tem nada de saudável para a formação do paladar e desenvolvimento nutricional infantil.

 

Leia também: Crianças à mesa: o que fazer para ampliar o paladar dos pequenos?

 

“O papel dos pais é fazer com que o momento da refeição seja agradável e não estressante”, destaca. Ainda de acordo com ela, cabe aos próprios pais servir de modelos para os filhos, mostrando a eles que o consumo de verduras, legumes e alimentos saudáveis é algo natural em suas residências.

“Não adianta querer que a criança coma verduras se ele não vê o pai e a mãe comendo verduras”, salienta a nutricionista.

O que, afinal, é “comer pouco”?

Especialmente durante a criação do primeiro filho, falta aos pais, de maneira geral, a exata noção de quando os filhos estão comendo pouco ou muito. É natural, afinal, as próprias crianças podem ter certa dificuldade para expressar se estão satisfeitas ou não.

Simone explica que esta é uma das principais queixas que recebe em seu consultório: pais que garantem que seus filhos estão comendo pouco. Mas afinal, o que significa “comer pouco” para uma criança?

“As crianças por volta de dois anos diminuem o ritmo de crescimento e o apetite consequentemente diminui. Além disso, nessa fase a criança começa a desvendar o mundo a sua volta e outras coisas passam a ser mais interessantes que a comida. É normal. Os pais devem se preocupar quando a criança fica doente o tempo todo, inapetente ou estacionou na curva de crescimento e ganho de peso [determinada pela OMS]”, complementa.

Atente-se, portanto, aos hábitos alimentares de seu filho. A recusa em comer deve ser interpretada a partir de sua frequência, observando-se também os alimentos que são mais aceitos ou não pela criança.

 

Leia também: Alimentação vegetariana para crianças é indicada?

 

Premiar ou castigar pode aparecer como a “opção” mais fácil e rápida naquele momento, mas certamente trará hábitos nocivos à alimentação de seu próprio filho em um futuro próximo.

Por fim, vale destacar a recomendação do Ministério da Saúde a respeito da alimentação complementar às crianças a partir dos seis meses.

“A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança”, aponta a pasta, em publicação direcionada a familiares e profissionais de saúde.

 

Leia mais: Entenda o que é o método BLW para crianças

 

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.