Coração e Vida | Azeite de oliva faz bem ao coração: aprenda a escolher o melhor

Azeite de oliva faz bem ao coração: aprenda a escolher o melhor

Azeite precisa ter baixa acidez e ser conservado em vidro escuro para não perder as propriedades benéficas

6.11.2018 | por Eli Pereira - Equipe Coração e Vida

Fonte de gorduras monoinsaturadas que promovem o aumento do HDL (colesterol bom) e a diminuição do LDL (colesterol ruim), o azeite de oliva auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares. Mas afinal, como escolher a melhor opção diante de tantas ofertas na prateleira do supermercado?  A nutricionista Paula Hertel, do Hospital Sírio-Libanês, dá dicas simples para facilitar a decisão.

“O azeite é uma grande fonte de polifenóis, fator que contribui para a redução da formação de radicais livres, e assim atua na prevenção de doenças degenerativas”, explica a especialista. “Além disso, é fonte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K)”.

Fique de olho na acidez do azeite, que indica se ele é extravirgem ou não - Foto: Shutterstock

Fique de olho na acidez do azeite, além da data de validade – Foto: Shutterstock

Paula explica que a vitamina E, por exemplo, é um antioxidante que promove a modulação da saúde cardiovascular, prevenindo a aterosclerose. Quer melhor motivo para consumir esse óleo no dia a dia? Escolher um bom azeite, porém, exige leitura de rótulos e observação da embalagem.

Frasco escuro: “prefira azeites que estejam armazenados em frascos de vidro escuros, pois evitam a oxidação do produto pela menor exposição à luz”, recomenda a nutricionista. Se o azeite for oxidado, perde-se boa parte das suas boas propriedades.

Extravirgem, sempre! Além disso, ela recomenda que se verifique sempre se o azeite é extravirgem, e que seja 100% feito de azeitona. “Muitos azeites no mercado são misturados com outros óleos vegetais, como de soja e girassol – o que torna o produto mais barato. Vale olhar a lista de ingredientes”, alerta.

Melhor é com acidez menor de 0,5%: a acidez do azeite também é algo importante a se levar em conta. “Ela determina a qualidade do azeite. Para ser considerado extra virgem, por exemplo, o azeite pode ter acidez de no máximo 0,8%. Vários fatores influenciam a acidez, como a maturação, a estocagem da azeitona, a ação enzimática e a própria qualidade da azeitona”, detalha Paula. “Portanto, a acidez [alta] é consequência, entre outros fatores, de azeitonas que não estão em perfeitas condições, ou do mau armazenamento do azeite”.

É importante lembrar, porém, que o grau de acidez não tem a ver com o cheiro ou sabor, mas sim da quantidade de ácidos graxos livres que o azeite tem, e também com a variedade e o estado de maturação da azeitona quando ela é colhida. “O recomendado é acidez inferior a 0,5%”, recomenda a nutricionista.

Azeite bom é azeite fresco: O ideal, segundo Paula, é escolher um azeite de fabricação recente. “O prazo de validade é determinado pelo fabricante, porém vale sempre preferir azeites com fabricação mais recente”. Essa recomendação é importante porque, quanto mais fresco, mais preservadas estão as propriedades benéficas do azeite.

Leia também: 9 dicas para manter o coração saudável

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.