Coração e Vida | Bichectomia: entenda como funciona a cirurgia

Bichectomia: entenda como funciona a cirurgia e quais são os riscos

Apesar de simples, procedimento pode trazer complicações para a saúde

21.01.2019 | por Equipe Coração e Vida

Por Mônica Pileggi

Em busca de um corpo perfeito, as cirurgias plásticas têm ganhado cada vez mais adeptos. A bola da vez é a bichectomia, que promete um rosto mais sensual e livre do aspecto bochechudo com a retirada das bolsas de gordura das laterais da face.

Esse compartimento adiposo também é conhecido como bola de Bichat, em homenagem ao anatomista e fisiologista francês Marie François Xavier Bichat (1771-1802), responsável pela descoberta da estrutura.

Apesar de ser feito com anestesia local, o procedimento pode trazer riscos, por isso é importante conversar bem com o médico - Foto: Shutterstock

Apesar de ser feito com anestesia local, o procedimento pode trazer riscos, por isso é importante conversar bem com o médico – Foto: Shutterstock

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), entre 2014 e 2016, o número de bichectomias quadriplicou, sendo realizadas mais de 40 cirurgias desse tipo por mês em todo o país.

De acordo com o cirurgião plástico Marcelo Rodrigues da Cunha Araújo, a procura é maior entre as mulheres com idades entre 18 e 60 anos. “A bichectomia é indicada para pessoas que têm a bochecha bem gordinha desde criança. A gordura bucal é profunda, de caráter genético e não está ligada à variação de peso corporal do paciente”, destaca Araújo.

O procedimento é simples, rápido e pode ser feito com anestesia local ou sedação do paciente. Em pouco mais de meia hora, a gordura é retirada através de um pequeno corte (de meio centímetro) feito por dentro da cavidade oral – o que evita cicatriz aparente. A recuperação é igualmente rápida. Depois de três dias de inchaço local, repouso e compressas frias, o paciente já está liberado para as atividades de rotina, inclusive exercícios físicos.

Como qualquer outra cirurgia, a bichectomia realizada por um médico não habilitqado pode trazer riscos aos pacientes. Os mais comuns são paralisia facial, hematomas e lesão parcial ou total de músculos do rosto.

Araújo completa que a cirurgia deve ser realizada por médicos habilitados, pois a gordura está localizada em uma região delicada da face, entre os músculos da mastigação e próximo aos nervos da face, que permitem a movimentação do rosto.

Leia também: Planejando uma cirurgia plástica? Confira cuidados antes e depois

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.