Coração e Vida | Bruno Covas: câncer que atingiu o prefeito de SP aumenta entre jovens

Bruno Covas: câncer que atingiu o prefeito de SP aumenta entre jovens

Localizado entre o estômago e o esôfago, doença também pode ter relação com o estilo de vida. No caso do prefeito, já apresentou metástase e é de alta gravidade

1.11.2019 | por Equipe Coração e Vida

 

shutterstock_629833475__Bruno
Após descobrir um câncer na cárdia, região de transição entre o esôfago e o estômago, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, de 39 anos, passou bem após a primeira sessão de quimioterapia. Além do tumor inicial, foram detectadas metástase no fígado e nos gânglios linfáticos. Assintomático, o câncer de Covas só foi descoberto após o prefeito apresentar uma erisipela: infecção na pele, que serviu de alerta para a descoberta de uma trombose.

Oncologista especializada em tumores do trato gastrointestinal do Hospital Sírio-Libanês, Fernanda Capareli explica que o aparecimento de uma trombose, principalmente em pacientes que não apresentam fatores de risco, sempre requer uma investigação minuciosa. O objetivo é saber se há alguma outra doença “mascarada”– como câncer e doenças autoimunes, que podem estar relacionadas à condição.

De acordo com a médica, o câncer na região da cárdia é comum entre a população brasileira e costuma acometer pessoas mais velhas, com mais de 50 anos. Mas não é regra. “De alguns anos para cá, temos percebido uma tendência no aumento de casos em pacientes mais jovens que pode estar relacionado a hábitos de vida não saudáveis”, afirma a especialista.

Mais:
Outubro rosa: índice de câncer de mama em homens segue em alta

Acredita-se que uma das hipóteses é a piora na alimentação, além de hábitos de vida não saudáveis, como tabagismo, sedentarismo e obesidade — possivelmente ligados à doença. Tais fatores também podem contribuir para o desenvolvimento, mesmo em jovens, de tumores que acometem a região. Mas não é só isso.

De acordo com Fernanda, refluxo crônico é um dos principais fatores de risco para esse tipo de câncer. Isso porquê o constante retorno do suco gástrico para a parte inferior do esôfago deixa o pH da região mais ácido e, consequentemente, mais propenso à formação de tumores malignos.

O que se sabe hoje é que o tipo da doença que acomete Bruno Covas é mais comum em homens. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), por ano, 21 mil brasileiros são diagnosticados com a doença — 14 mil são do sexo masculino.

Mais: 
Como se prevenir do câncer e viver melhor

Entre os principais sintomas estão perda de peso repentina, dor abdominal, náuseas e até sangue nas fezes. O tratamento depende do paciente e do estágio da doença. Em casos iniciais, o mais indicado pode ser cirurgia para a retirada total do tumor. Quando a doença está avançada, com metástase, como é o caso do prefeito, o melhor é a quimioterapia, que age no corpo todo. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, mais altas são as chances de sucesso.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.