Coração e Vida | Como funciona o processo de doação de órgãos no Brasil - Coração e Vida

Como funciona o processo de doação de órgãos no Brasil

Coração & Vida aponta o caminho que tem início com o cadastro dos receptores

29.09.2014 | por Equipe Coração e Vida

shutterstock_156020384

Milla Oliveira

O Dia Nacional de Doação de Órgãos é comemorado em 27 de setembro e apesar do intenso debate que tem envolvido o assunto recentemente, ainda existem entre a população diversas dúvidas sobre como funciona a fila de espera do procedimento. Há questionamentos e preconceitos, por exemplo, em relação a eventuais favorecimentos que estariam relacionados a classe social ou local de moradia.

Confira também:
Doação de órgãos: como abordar o assunto com os familiares
Novela estimulou doação de órgãos
Transplantes: confira as dúvidas mais frequentes
“Apoio é fundamental”, diz paciente que passou por transplante

O sistema de captação e doação de órgãos no Brasil obedece a regras rígidas dentro das instituições de saúde. Os pacientes da fila de transplantes são classificados de acordo com grupo sanguíneo, peso, idade e altura do doador, segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo. Outro fator levado em consideração é o tempo de espera: quem chegou primeiro e tem compatibilidade com o doador, recebe o órgão.

Lúcio Pacheco, presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), faz questão de ressaltar, no entanto, que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas falecidas só é realizada quando há a constatação de morte encefálica do paciente por dois médicos, além de autorização do parente mais próximo. As condições são estipuladas em lei e nenhum hospital pode fazer o procedimento sem obedecer aos critérios relacionados.

shutterstock_126687875

Enquanto seguem o tratamento, pacientes aguardam com ansiedade a notícia de que receberão um novo órgão / Foto: Shutterstock

Em São Paulo, estado que responde pela metade das cirurgias deste tipo feitas no país, o Sistema Estadual de Transplantes da Secretaria de Saúde coordena o processo de distribuição de órgãos coletados nos hospitais, tanto públicos como privados.

O coordenador do sistema, médico Agenor Spallini Ferraz, afirma que, antes de 1997, existiam as chamadas “semanas de captação de órgãos”, quando os hospitais do estado captavam e transplantavam seus próprios pacientes. “Nessa época, o Sistema Único de Saúde (SUS) só tinha chances quando a captação era feita no Hospital das Clínicas ou na Escola Paulista de Medicina”.

Hoje, segundo Ferraz, não há qualquer distinção com relação ao hospital em que o paciente está internado. A Secretaria Estadual de Saúde desenvolveu um sistema que faz a busca por doadores com base em critérios de compatibilidade com quem aguarda o transplante. “A ideia é que o transplante seja eficaz e justifique todo o recurso despendido nesse processo. Nós queremos dar o melhor órgão ao melhor receptor possível”, pontua o coordenador do sistema.

Confira a seguir como se dá o processo de transplantes de órgãos no Brasil:

doação

Deixe seu comentário

14 comentários

  1. Rosiney Maria Palace Arae disse:

    Meu nome é Rosiney sou a mãe do jovem William MATHEUS que faleceu dia 30 de agosto de 2015 , meu filho foi encontrado jã sem vida e levado ao IML, eu entrei em choque e não lembrei de doar os órgãos dele. No dia seguinte o médico legista fez a autopsia e liberou o corpo dele.Quero saber quantas horas após a morte do meu filho deveria ter doado seus órgãos.Me sinto mal por não ter feito a doação .A polícia civil não sabe a hora exata da morte dele, só sabemos que foi entre a tarde e a noite (18 horas) do domingo,

  2. Francisco disse:

    Olá! Tenho 50 anos, e só agora me por conta desse ato de amor, tão fundamental para a vida! Como faço para ser um doador pós morte?

  3. Vanessa disse:

    Ola Me Chamo Vanessa E Tenho 15 Anos Meu Namorado Tem Um Problema Muito Serio No Coração.. E Eu Quero Doar O Meu Pra Ele .. Será Que Posso ??

    • Tathiana Barbar - Equipe Coração e Vida disse:

      Agradecemos seu contato, mas você só pode doar seu coração após a morte. Então, recomendamos que procurem um outro doador.

  4. José Renato basílio da silva disse:

    Òla . Meu nome e Renato , tenho 33 anos sou morador de águas claras DF
    gostaria de saber um pouco mais sobre doação de orgaos
    o irmão da minha esposa esta com cancer, gostaria de fazer alguma coisa pra ele , só não sei como e também não sei como anda seu tratamento . mt obrigado.
    ah!! como faço pra ser doador de orgao.
    3568-2790 pode ligar .

  5. Marcia nunes disse:

    Trabalho em um hostipal. Pq um pai autorizou o transplante e a mae não e a moca era doadora e nao aconteceu ja q ela era doadora ?

  6. Moab Mateus disse:

    Olá, Me chamo Moab Mateus, tenho 17 anos e desde meus 14 ja sonho em doar sangue, mas hoje tive a curiosidade em pesquisar sobre doação de órgãos, e a grande dúvida que não sai da minha cabeça, é a seguinte : eu só posso me tornar doador de órgão após minha morte? não existe algo que eu possa fazer para ajudar as pessoas ainda em vida? Obrigado!

  7. Ana lucilia Pereira da Silva disse:

    Quero ser uma doadora de órgão como faço?

    • Equipe Coração e Vida disse:

      Olá, Ana Lucília! Você deve comunicar esse desejo à sua família, pois são eles que autorizam a doação dos órgãos. Obrigada!

  8. Geralda a fernandes soares disse:

    Boa noite tenho doença cronica. Ostoprose. Seria a. Gostaria ser. Doadorameu precisa urgene era doa temcomo ja tenho coisa porque vida vida por ele jovem faz procedimento cloica bh tempo ja ai como sabe

  9. Geralda a fernandes soares disse:

    Ande eu ir na cidade dizer quero doadora

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.