Coração e Vida | Como identificar e contornar uma crise de ansiedade?

Como identificar e contornar uma crise de ansiedade?

Psicóloga lista atitudes positivas para enfrentar a situação

25.09.2018 | por Equipe Coração e Vida

Todos nós passamos por momentos de ansiedade. Sensação de medo, cautela e prevenção fazem parte do dia a dia e nos protegem em situações críticas. No entanto, quando a preocupação excessiva com o futuro ou condições hipotéticas passa a ser permanente, é hora de ficar atento.

A crise de ansiedade (ou ataque de pânico) costuma ser mais comum em pessoas que vivem em constante estado de alerta e acontece de maneira inesperada. “Para quem está sempre com a ‘antena ligada’, esperando o pior acontecer, um pequeno ocorrido pode servir de gatilho (para a crise)”, explica Maria Alice Fontes, doutora em psicologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretora da clínica Plenamente, em São Paulo.

Crise de ansiedade (ou ataque de pânico) costuma ser mais comum em pessoas que vivem em constante estado de alerta - Foto: Shutterstock

Crise de ansiedade (ou ataque de pânico) costuma ser mais comum em pessoas que vivem em constante estado de alerta – Foto: Shutterstock

Sintomas físicos sugerem problemas de saúde

Sudorese, taquicardia, boca seca e tremores são sintomas comuns nas crises. Acompanhados de ataque de medo e uma sensação iminente de morte – ou de que algo de ruim pode acontecer – a pessoa que enfrenta uma crise tem dificuldade para identificar que o risco não existe. “Muitas pessoas buscam ajuda médica e chegam ao hospital achando que podem morrer. Somente após realizar alguns exames e passarem em consulta, entendem que não estão passando por nada fisológico”, destaca Fontes.

Com a rotina corrida e os reais perigos das grandes metrópoles, como a violência urbana, uma simples notícia negativa pode ser o suficiente para a crise de ansiedade se instalar. Por isso aprender a controlar – e contornar – o episódio é tão valioso para manter o bem-estar.

3 passos para “encarar” a crise

Passo número um: é importante a pessoa perceber que está passando por uma crise de ansiedade e não acreditar que os sintomas são legítimos. Nesses casos, por exemplo, sentir palpitações não significa, de fato, algum problema cardíaco urgente. Questionar a própria ansiedade e os pensamentos negativos ajuda a identificar a situação e trabalhar maneiras de enfrentamento.

Passo número dois: controlar a respiração, inspirando e expirando lentamente e com atenção no próprio corpo irá possibilitar que a mente se acalme.

Passo número três: focar a atenção em outras atividades como meditação ou ouvir música e conversar com alguém que esteja por perto também é benéfico. “Estudos comprovam que a prática regular de meditação ajuda a controlar a ansiedade, entretanto é necessário manter a recorrência”, indica a especialista. Aplicativos de celular como o Calm e o Headspace, gratuitos, são úteis para quem quer começar a meditar.

Atitudes positivas

Exercer a compaixão, fazer preces e orações (dentro de sua própria prática religiosa) e manter momentos de relaxamento também fazem a diferença, inclusive colaborando com a autoestima.

Aprender a “corrigir” os pensamentos pessimistas e questionadores de nossa própria mente é outra estratégia positiva que costuma trazer bons resultados.

Busque entender o motivo para sua mente estar acelerada e controle o “looping” de ideias que permeiam a cabeça. Perguntas para fazer a si mesmo: “Posso resolver isso agora?” ou “Existe algo de útil que possa fazer nesse momento?”. As respostas vão te ajudar a manter o equilíbrio e a enfrentar anseios futuros.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.