Coração e Vida | Como vai seu coração? Veja quando começar o check-up

Como vai seu coração? Veja quando começar o check-up

No Dia Mundial do Coração, médicos chamam a atenção para a prevenção e fatores de risco

27.09.2018 | por Equipe Coração e Vida

Por Thássio Borges

Terrorismo, desastres naturais, acidentes de trânsito. Todos exigem atenção especial, mas são as doenças cardiovasculares a principal causa de mortes em todo o mundo. A cada 10 óbitos registrados no âmbito global, cerca de três ocorrem devido a enfermidades desse tipo – 85% destas correspondem apenas a ataques cardíacos e infartos.

Não à toa, a data de 29 de setembro foi definida como o Dia Mundial do Coração, e o Brasil adere à causa da Organização Mundial da Saúde (OMS) ciente de que os esforços por aqui também devem ser reforçados.

Check-ups e avaliações médicas frequentes são essenciais para detectar problemas cardiovasculares que não despertam sintomas - Foto: Shutterstock

Check-ups e avaliações médicas frequentes são essenciais para detectar problemas cardiovasculares que não despertam sintomas – Foto: Shutterstock

 

“As doenças cardiovasculares (DCV) representam a primeira causa de morte no Brasil e no mundo. Apesar da tendência de redução dos riscos de mortalidade por DCV no país e no mundo, algumas projeções indicam o aumento de sua importância na população de baixa e média renda”, explica Gabriela Ramalho, cardiologista do Hospital Sírio-Libanês.

Essa incidência maior entre pessoas de baixa e média renda está diretamente relacionada às drásticas mudanças de hábitos vivenciadas nas últimas décadas. Se, por um lado, a modernidade ampliou o leque de alimentos, atividades e tecnologias disponíveis, houve alta também na exposição aos fatores de risco das DCV.

Conscientização precária

Um dos principais problemas deste cenário é que os números, muitas vezes, não são suficientes para conscientizar as pessoas dos riscos dessas doenças ligadas ao coração. Para o cardiologista Roberto Kalil Filho, diretor das áreas de Cardiologia do Instituto do Coração (InCor), do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, e do Hospital Sírio-Libanês, a negligência somente agrava a situação.

“Há uma forte cultura, tanto no Brasil quanto no mundo, de que o infarto, a doença do coração, atinge sempre o outro. Nunca acontece conosco, é sempre com o vizinho, o amigo. Com isso, as pessoas desconsideram seu estado clínico, a incidência de fatores de risco e somente compreendem o perigo que corriam quando o pior evento (muitas vezes fatal) ocorre”, explica.

Ramalho destaca também que boa parte da mortalidade relacionada às DCV são evitáveis, desde que exista assistência ou prevenção oportuna. Além disso, é muito importante atentar-se ao fato de que a exposição aos fatores de risco cardiovasculares geralmente começa na infância e se consolida na juventude. Ou seja, os comportamentos nessas faixas etárias podem ser determinantes na incidência de DCV na fase adulta jovem.

“Outra questão é o caráter assintomático (sem sintomas) da maioria das DCV, guiados pela ideia de que os problemas de saúde são sentidos em idades mais avançadas, o que propicia o diagnóstico tardio e o desencadear de complicações”, complementa Ramalho.

Atualmente, fatores como sedentarismo e sobrepeso, associados à hipertensão arterial e ao depósito de gorduras nas artérias, são muito perigosos. Como os fatores de risco cardiovascular tendem a se agregar, tal associação amplia de forma significativa a probabilidade de eventos ligados às DCV, pois um tende a “reforçar” o outro.

Como evitar?

“Muitos fatores são passíveis de mudança. Colesterol alto, cigarro, sedentarismo e obesidade são condições que pioram sensivelmente a possibilidade de ocorrerem doenças cardíacas”, afirma Kalil Filho, destacando também hipertensão e diabetes como fatores que, quando não tratados adequadamente, contribuem para a incidência de DCV.

Além disso, é preciso reforçar a ideia de que as DCV não são tratáveis apenas com remédios e intervenções cirúrgicas. Os check-ups e avaliações médicas frequentes são essenciais para detectar, por exemplo, uma obstrução que, por enquanto, não desperta sintomas.

“Por isso é importante as pessoas se prevenirem, não só em relação aos fatores de risco, mas realizando avaliações clínicas rotineiras com orientação médica”, completa Kalil Filho.

E, afinal, quando é preciso começar o check-up cardiovascular?

“A idade para início depende do risco cardiovascular de cada pessoa. Conforme os fatores de risco, pode ser necessário iniciar o rastreio já a partir dos 20 anos ou somente a partir dos 35 em homens e 45 em mulheres. [Assim] é possível estimar a probabilidade de evento cardiovascular no futuro e conforme essa avaliação determinar o inicio e a periodicidade do monitoramento”, complementa Ramalho.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.