Coração e Vida | Risco de obesidade infantil aumenta durante quarentena

Coração e Vida

Risco de obesidade infantil aumenta durante quarentena

Consumo exagerado de alimentos industrializados e redução da atividade física estão entre os principais fatores de risco. Veja como driblar o problema:

2.07.2020 | por Equipe Coração e Vida

 

 

shutterstock_565720609

 

Ficar em casa durante o isolamento social aumenta a exposição das crianças a alimentos processados, e ao mesmo tempo, reduz a atividade física delas – e combinados, esses dois fatores elevam o risco de obesidade infantil.

“Além de as crianças estarem se movimentando menos, estão mais expostas à alimentação. Às vezes, isso é pior na criança obesa porque ela já tem uma tendência a acumular peso, ou um metabolismo mais lento”, explica a endocrinologista e coordenadora do núcleo de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do Hospital Sírio-Libanês.

Um estudo recente da Universidade Estadual da Louisiana, nos Estados Unidos, e da Universidade de Verona, na Itália, feito com 41 crianças e adolescentes em confinamento durante março e abril na cidade de Verona, chamou a atenção de pesquisadores. Durante o trabalho, ao comparar o comportamento do grupo em relação ao mesmo período do ano passado, os cientistas descobriram que elas comiam uma refeição a mais, dormiam meia hora a mais, passavam quase 5 horas a mais diante de uma tela (TV, computador ou celular), e reduziram a atividade física em mais de duas horas por semana.

“Sem dúvida, essa exposição maior à oferta de alimentos e o não sair de casa para atividades físicas têm ajudado adultos e crianças a ganharem peso”, complementa, Cláudia.

Mais:
Crianças: açúcar não deve ser consumido até, pelo menos, 2 anos de idade

Além disso, os pesquisadores constataram que as crianças e adolescentes também consumiram mais carne vermelha, bebidas açucaradas e guloseimas (mantendo inalterado o consumo de legumes e vegetais). O estudo foi publicado na revista científica internacional “Obesity”.

Cláudia destaca que, por questões como falta de tempo e até mesmo de segurança. crianças e adolescentes já estavam cada vez mais confinados em casa e sem atividades físicas — mesmo antes da pandemia do novo coronavírus. Além disso, ficar em casa também as expõe mais a propagandas de guloseimas calóricas nos meios de comunicação e ao hábito de fazer pedidos por aplicativos de entrega de comida.

Mais:
Coronavírus: hipertensos têm duas vezes mais chances de enfrentar complicações e óbito por covid-19, diz estudo


Gestação e genética
A endocrinologista explica que fatores genéticos têm importância no aparecimento da obesidade infantil.  “Quando os dois pais são obesos, a chance de a criança ficar obesa varia de 70% a 80%. Quando só um dos pais é obeso, essa chance cai para 40% ou 50%. Se os pais não são obesos, a chance cai para 20% ou 30%”, diz.

Mas não é só isso.  “Crianças nascidas de mães que ganharam muito peso na gestação têm tendência maior a estocar calorias e gordura”. As que nasceram fora do tempo e abaixo do peso também têm essa tendência a ganhar peso. “Mas não está ligado à genética e, sim, ao ambiente no período gestacional.”

Solução na cozinha
Mas nem tudo está perdido durante a pandemia. A especialista ressalta que o isolamento social, no entanto, pode ser positivo. “Os pais agora obrigatoriamente estão em casa, então têm mais tempo para preparar e organizar as refeições, tornando-as mais saudáveis equilibradas”, observa.

A grande desculpa que a gente consegue eliminar com a pandemia é a da falta de tempo. “Estando em casa, acaba sobrando mais tempo para organizar a alimentação.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.