Coração e Vida | Conheça as vantagens e desvantagens do DIU - Coração e Vida

Conheça as vantagens e desvantagens do DIU

Método contraceptivo ainda é pouco escolhido pelas brasileiras; falta de informação é motivo principal

27.04.2018 | por Coração e Vida

A evolução da Medicina trouxe a homens e mulheres a oportunidade de utilizar diferentes métodos contraceptivos. Um deles é o Dispositivo Intrauterino, mais conhecido como DIU. Apesar das vantagens que oferece, ele ainda é pouco utilizado no Brasil, sendo a escolha de cerca de 2% das mulheres em idade fértil.

Apesar de ser um dos contraceptivos mais seguros, o Dispositivo Intrauterino (DIU) é escolha de cerca de 2% das brasileiras. Um dos principais motivos que explicam a rejeição a esse método é a falta de informação. Por se tratar de uma opção interna, muitas mulheres o associam a métodos invasivos, que requerem procedimento cirúrgico, por exemplo. Desta forma, a informação acaba sendo essencial para ao menos permitir que as mulheres possam escolher o método que melhor lhes agrada.

Ao contrário do que muitas mulheres acreditam, o DIU não causa infertilidade - Foto: Shutterstock

Ao contrário do que muitas mulheres acreditam, o DIU não causa infertilidade – Foto: Shutterstock

São dois os tipos de DIUs disponíveis às mulheres: de cobre e hormonal. De acordo com Eduardo Vieira da Mota, ginecologista do Hospital Sírio-Libanês, ambos atuam no interior do útero, no endométrio.

“Eles alteram as características biológicas e químicas deste tecido que reveste o interior do útero, chamado endométrio, e impedem a gravidez. O DIU de cobre tem esta ação pelo efeito do cobre sobre o tecido, além de inviabilizar os espermatozoides em seu trajeto no encontro com o óvulo para a fecundação”, explica o médico.

Segundo ele, o DIU de hormônio utiliza o hormônio progesterona. Este hormônio impede o desenvolvimento do endométrio. Desta forma, não há produção das substâncias necessárias para manter os espermatozoides que, portanto, se tornam incapazes de fertilizar o óvulo.

Ainda de acordo com o ginecologista, ambos os DIUs mantêm os ciclos hormonais da mulher, já que a ação contraceptiva ocorre diretamente no útero. O método de cobre, no entanto, mantém a menstruação, enquanto o hormonal reduz o fluxo menstrual ou até mesmo interrompe.

São essas características, inclusive, que costumam determinar qual o tipo de dispositivo mais adequado para cada paciente, após avaliação médica.

“O DIU de cobre provoca aumento do fluxo menstrual, e eventualmente cólica. Portanto, mulheres que já tenham fluxo menstrual aumentado, anemia, e/ou cólica/dor, devem evitar usá-lo. O DIU de hormônio, ao contrário, reduz o fluxo menstrual. Portanto, pode ser uma boa opção para estas mulheres com fluxo aumentado, anemia ou cólica”, avalia.

Não causa infertilidade

Entre as principais complicações possíveis, o dispositivo de cobre pode gerar maior perda sanguínea, além da cólica menstrual e da anemia já mencionadas. O hormonal pode aumentar a ocorrência de acne e oleosidade da pele. O médico, entretanto, faz questão de afastar um mito que envolve o uso deste método contraceptivo.

“O DIU não provoca infertilidade. No entanto, em situações de infecção genital, ele pode dificultar o tratamento. O que provocaria a infertilidade é a persistência da infecção”, afirma.

Dessa forma, é preciso aumentar o cuidado para evitar situações de risco para o surgimento de infecções. Ainda assim, o DIU não provoca qualquer mudança na prática sexual da paciente.

Vantagens

Frente aos demais métodos contraceptivos, o DIU apresenta vantagens interessantes. Ele não depende, por exemplo, de ser lembrado para surtir efeito, como é o caso da pílula, que precisa ser ministrada diariamente. Além disso, conforme ressalta o ginecologista, o DIU de cobre não tem ação à distância ou efeitos no corpo, pois sua ação é local.

O médico ressalta ainda que o DIU até pode ser colocado imediatamente após o parto, mas isso aumenta a probabilidade do dispositivo se deslocar. “Se possível, o adequado é aguardar após a regressão das alterações uterinas da gravidez, após o primeiro mês [para adotar o DIU]”, completa.

Consulte, portanto, seu médico de confiança para entender qual é o método mais adequado às suas necessidades e características.

Leia mais

O uso de antibióticos e contraceptivos causa dúvidas; saiba mais

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.