Coração e Vida | Conheça melhor a vitamina C - Coração e Vida

Conheça melhor a vitamina C

Ela é celebrada por fazer bem à saúde na prevenção de gripes, certo? Mas faz muito mais...

24.02.2018 | por Flávia Pegorin - Equipe Coração e Vida

Ouvimos falar sobre isto desde a infância, quando nossas mães tentam nos fazer trocar o refrigerante por um belo suco de laranja: a vitamina C é um nutriente essencial. E as mães estão certas.

A vitamina C, nome que ganhou popularmente o ácido ascórbico, é crucial para o organismo. Mas não é sintetizada por ele e, assim, precisa ser fornecida pela ingestão de alimentos.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Conversamos com especialistas em nutrição para entender como atua a vitamina C no organismo – e como fazer bom uso dela.

O que a deficiência de vitamina C pode causar?

Os primeiros sintomas são fadiga, perda de apetite, sonolência ou insônia, exaustão, irritabilidade e baixa resistência às infecções. A falta do ácido ascórbico também é ligada ao desenvolvimento do escorbuto, doença que causa enfraquecimento e hemorragias. Vale lembrar também que o fumo, contraceptivos orais e estresse podem aumentar as necessidades da vitamina C no organismo.

Quais os benefícios que ela traz?

“A vitamina C possui inúmeras funções, mas a principal talvez seja sua ação na síntese do colágeno, substância que dá estrutura, por exemplo, aos músculos, tendões, ossos e cartilagens”, explica o nutrólogo Adriano Gama, de São Paulo. A vitamina C também contribui para a saúde dos dentes e gengivas, ajuda na síntese de hormônios e neurotransmissores importantes (como a adrenalina), tem função imunológica e neutraliza radicais livres, o que melhora a aparência geral da pele.

Em quais alimentos podemos encontrá-la?

Frutas vermelhas, salsa, goiaba, pimentão, brócolis, morango, lichia, laranja, limão, tangerina, couve-flor, abacaxi, acelga, tomate, agrião. Todos esses alimentos são ótimas fontes de vitamina C – mas é bom saber sobre alguns cuidados ao prepará-los. A vitamina C é sensível ao calor, à luz e ao oxigênio. Ela pode, então, ser parcialmente ou totalmente destruída por um armazenamento longo ou pelo cozimento. “Ao cozinhar, faça isso pelo menor tempo possível, use pouca água e sirva logo em seguida. Guardar o suco de frutas recém-espremido por muito tempo na geladeira, por isso, está fora de questão”, completa Adriano Gama.

Ela pode prevenir mesmo gripes e resfriados?

Alguns estudos dizem que a vitamina C diminui os sintomas e a duração dos resfriados, mas não o número de resfriados adquiridos por uma pessoa. De qualquer forma, as pesquisas garantem que, se estivermos com o sistema imunológico fortalecido (com a participação da vitamina C), o número de resfriados será diminuído. Ou seja: ela pode não curar seu mal-estar, mas vai melhorar a condição geral. E, além disso, a vitamina C participa da formação de anticorpos naturais, formando, assim, defesas contra vários tipos de doenças, não só as gripes.

Vale usar aquelas vitaminas em pílulas ou efervescentes?

A ingestão diária recomendada de vitamina C varia de acordo com idade e sexo. Para os adultos, é recomendada a ingestão de 90 mg/dia para homens e de 75 mg/dia para as mulheres. Mas o ideal é que isso seja feito por meio de uma alimentação equilibrada, com muitos vegetais. Certas pessoas com quadro clínico que pede maior quantidade de vitamina C podem usar os tabletes. Mas ao recorrer a qualquer medicamento, mesmo as pastilhas, converse antes com um médico.

E aquelas versões para crianças? Têm restrições?

Basta observar o rótulo dos produtos destinados às crianças, como aquele tipo de vitamina C em goma à venda em farmácias, para perceber que pode não ser a melhor escolha. “Sacarose, xarope de glicose, gelatina, aromatizante, corante… As pessoas querem oferecer uma vitamina à criança, mas acabam levando tudo isso ‘de brinde’”, alerta a nutricionista pediátrica Izabella Tesoto, de Campinas (SP). Ela lembra que esses medicamentos de suplementação só devem ser usados por crianças que estão comprovadamente com uma deficiência – o que só se constata depois de exames pedidos por pediatra ou nutricionista. “Quem quer oferecer vitaminas aos filhos deve preferir uma alimentação equilibrada, com frutas, verduras, cereais, leguminosas, laticínios, ovos e carnes.”

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.