Coração e Vida | Contato com a natureza melhora saúde mental - Coração e Vida

Contato com a natureza melhora saúde mental

Estudos comprovam que estar e crescer em meio à natureza diminui o estresse, e ajuda a prevenir o desenvolvimento da depressão

3.06.2019 | por Equipe Coração e Vida

abigail-keenan-27292-unsplash


Estar próximo ao meio ambiente nunca foi tão importante. Um levantamento feito pela ONG The Nature Conservancy (TNC) analisou a relação entre o contato com a natureza e a qualidade da saúde mental.  O estudo, publicado na revista científica Sustainable Earth, destacou que 46% das pessoas que vivem nas grandes cidades do mundo, como São Paulo, já sofrem de problemas relacionados à saúde mental. No entanto, apenas 13% da população urbana mundial vive próxima à natureza.

Outro dado relevante é de pesquisadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona. Publicado em maio deste ano, o trabalho teve como base a análise de dados de quase 4 mil pessoas, de quatro países europeus distintos. O resultado mostrou que crianças que crescem com baixos níveis de exposição a ambientes verdes ou azuis (como parques, florestas, fazendas, lagos, rios e praias) se tornam adultos mais nervosos e/ou depressivos.

O psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Daniel Martins de Barros, destaca, ainda, um trabalho da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, sobre o tema. “Cientistas pediram para que um grupo de pessoas colocasse na rotina um tempo de contato com a natureza. A partir daí, eles passaram a medir o nível de cortisol, hormônio relacionado ao estresse. Foi possível ver que, quando a pessoa tinha contato com a natureza mais de três vezes por semana, por mais de 20 minutos, o nível de cortisol e, consequentemente, o estresse, caía consideravelmente”, explica.

São estudos como estes que mostram a necessidade da valorização do ecossistema, não só no Brasil, mas em todo o mundo. Atentos ao tema, o príncipe William e a duquesa Kate Middleton criaram um jardim onde famílias e comunidades podem se unir, e se conectar com a natureza. Uma publicação recente em uma rede social oficial da família real afirmou que “sua alteza real é forte defensora dos benefícios comprovados que o ar livre tem na saúde física e mental, principalmente ainda no desenvolvimento infantil”

Psiquiatra e ex-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), Mauro Aranha explica que, em meio à natureza, é possível se desligar das opressões do meio urbano. “Faltam espaços de convivência no meio urbano. Há proliferação do que o antropólogo Marc Augé chama de não-lugares, ou seja, lugares que não são percebidos ou valorizados”, analisa. “Isso é comum em uma metrópole como São Paulo, onde as pessoas vivem cercadas dentro de suas casas ou carros. E isso é muito ruim para a saúde mental”, diz o médico.

Exponha-se à luz do sol
Aranha afirma, ainda, que o a luz do sol tem efeito terapêutico para pacientes que têm doenças mentais. Na Europa, por exemplo, os índices de depressões sazonais têm grande registro durante o outono e o inverno, quando os dias são mais curtos e têm menos luminosidade.

Mais:
Médico explica como exposição à luz natural é fundamental para o bom funcionamento do chamado ‘ritmo circadiano’. Entenda

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.