Coração e Vida | Marca-passo: entenda como funciona e para quem é indicado

Marca-passo: entenda como funciona e para quem é indicado

Aparelho ainda é cercado de dúvidas, mas é essencial para diversos pacientes com problemas cardíacos

16.10.2018 | por Equipe Coração e Vida

Por Thassio Borges

O marca-passo não é algo novo na medicina. O aparelho foi criado em 1930, mas o primeiro item totalmente implantável foi colocado em um paciente na Suécia em 1958. Sessenta anos depois, muitas dúvidas a respeito de seu uso ainda permanecem.

Martino Martinelli, diretor da Unidade Clínica de Estimulação Cardíaca Artificial do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP), destaca que o marca-passo é indicado, na maior parte dos casos, para corrigir ritmos lentos do coração.

O marca-passo pode ajudar quem tem batimentos cardíacos lentos, entre outros problemas - Foto: Shutterstock

O marca-passo pode ajudar quem tem batimentos cardíacos lentos, entre outros problemas – Foto: Shutterstock

“São situações em que o coração bate muito devagar (abaixo de 50/60 batimentos por minutos), podendo causar desmaios e redução da quantidade de sangue na cabeça. Essa aplicação clássica persiste, pois as doenças ainda existem e os pacientes são vulneráveis nesse cenário”, explica o médico.

É possível também apontar as doenças que mais frequentemente causam a irregularidade cardíaca descrita. São elas: envelhecimento do coração, doenças isquêmicas (que levam ao enfarte) e a Doença de Chagas, sendo esta um dos exemplos de doenças adquiridas.

O médico também fala sobre os casos de insuficiência cardíaca, nos quais o coração registra musculatura fraca. Nessa situação, não se trata de fraqueza ligada a batimentos por minuto, e sim à própria debilidade do coração, que fica sem capacidade de contrair adequadamente.

“Esses pacientes recebem hoje um tipo de marca-passo mais sofisticado, chamado de ressincronizador. É um tipo de aparelho usado para melhorar a condição do músculo cardíaco. Isso é muito relevante, pois se não conseguimos êxito com o marca-passo ou com o remédio, é necessário encaminhar o paciente ao transplante cardíaco. O marca-passo, portanto, atua, nesses casos, em um estágio pré-transplante, pré-insuficiência cardíaca grave”, complementa.

Leia também: Infarto também é assunto de mulher

Cirurgia

Engana-se quem acredita que a cirurgia para implantar o aparelho seja considerada de alto risco. O implante em si é muito simples, de acordo com o médico. Se a cirurgia, no entanto, é feita em pacientes com quadro de saúde muito debilitado, naturalmente aumenta-se o risco relacionado ao procedimento.

“O risco é inerente à condição clínica do paciente”, afirma Martinelli, esclarecendo outro mito, desta vez relacionado à recuperação da cirurgia de implante do marca-passo. “É rápida [a recuperação]. Em 24 horas, o paciente está apto a sair do hospital. Recomenda-se, de forma geral, que o paciente não dirija nas primeiras quatro semanas, evitando também o esforço físico com os braços (levantar e sustentar pesos). Mas é possível voltar tranquilamente, aos poucos, às suas atividades normais. Em oito semanas, o paciente já pode realizar exercícios físicos sem restrições”, esclarece.

A partir de três meses da cirurgia, o paciente já não tem nenhuma restrição motivada pelo marca-passo.

A bateria do marca-passo deve ser substituída, em média, a cada cinco anos. O procedimento, no entanto, é até mais simples, pois o médico precisará mexer apenas no gerador do aparelho.

Hackear o marca-passo?

É possível considerar o marca-passo como um micro computador. Assim, surge a dúvida: é possível hackear o aparelho? De acordo o médico, é possível, e inclusive há casos relatados. Trata-se, no entanto, de uma ação criminosa, que não é habitual e que requer um verdadeiro ânimo para prejudicar o paciente. “O marca-passo tem um sistema de segurança muito forte. Somente em uma situação de crime é que isso poderia ocorrer”, completa.

Vale ressaltar também: quem é portador de marca-passo não tem restrições quanto à atividade sexual, nem sofrem com possíveis interferências eletromagnéticas. “O sistema é bem blindado. O marca-passo evoluiu muito, tanto na segurança quanto no cuidado com os pacientes”, afirma Martinelli.

“O Incor tem um sistema de conhecimento, de informações específicas, para auxiliar empregado e empregador, para que não ocorram injustiças sociais [em relação à contratação de um indivíduo portador de marca-passo].”, esclarece.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.