Coração e Vida | Dengue: incidência da doença aumenta mais de 400% no país - Coração e Vida

Dengue: incidência da doença aumenta mais de 400% no país

Saiba como diferenciá-la de chikungunya e zika, todas transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

21.05.2019 | por Equipe Coração e Vida
Foto: Shutterstock

O tratamento das três arboviroses é feito para aliviar os sintomas, com o uso de analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios. Foto: Shutterstock

Um dos maiores desafios da saúde pública no Brasil é o combate ao Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. De acordo com o Ministério da Saúde, foram registrados 713.389 casos prováveis das três doenças no país nos primeiros quatro meses de 2019, o que representa um aumento de 282% em relação ao mesmo período de 2018. Só de dengue foram 675 mil casos, contra 134 mil no ano passado. As três arboviroses – como são identificadas as doenças causadas por vírus transmitidos por picadas de insetos – têm sintomas muito parecidos e precisam de atenção para serem diferenciadas.

O infectologista David Uip afirma que a experiência médica é capaz de reconhecer a maioria dos casos. “É importante que haja diagnóstico rápido e maior conscientização tanto da população quanto de atenção e esclarecimento por parte do governo”, diz.

A dengue tem quatro tipos de vírus diferentes. Cada pessoa pode ter os quatro sorotipos da doença, mas a infecção por um sorotipo gera imunidade permanente apenas para mesmo. A dengue pode ser assintomática, leve ou grave, podendo até levar a morte. Entres os sintomas comuns estão febre alta (acima de 38.5ºC), dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. De acordo com o Ministério da Saúde, a dengue pode durar de 2 a 7 dias e, geralmente, a doença tem cura espontânea depois de 10 dias. Mas, ao sinal dos primeiros sintomas, é muito importante procurar atendimento médico para o diagnóstico e tratamento adequados.

A infecção por chikungunya começa com febre, dor de cabeça, mal estar, dores pelo corpo e muita dor nas articulações, podendo também apresentar, em alguns casos, manchas vermelhas ou bolhas pelo corpo. O quadro agudo dura até 15 dias e cura espontaneamente.

A doença causada pelo vírus da Zika tem mais risco de desenvolvimento de complicações neurológicas, como encefalites, Síndrome de Guillain Barré e outras doenças. De acordo com o Ministério da Saúde, a infecção pode causar manchas vermelhas em todo o corpo, conjuntivite (olho vermelho) sem secreção, febre baixa, dor de cabeça, dores pelo corpo e nas juntas. Diferente da dengue e da chikungunya, o zika também pode ser transmitido na relação sexual e da mãe para o feto durante a gestação. Neste último, pode haver lesões cerebrais irreversíveis, como o desenvolvimento da microcefalia. Na maioria dos casos, a zika é uma doença branda e tem cura espontânea depois de 10 dias.

O tratamento das três arboviroses é feito para aliviar os sintomas, com o uso de analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios. Além disso, é recomendado repouso absoluto e ingestão de bastante líquido. Veja mais detalhes abaixo:

 

Fonte: Ministério da Saúde

Fonte: Ministério da Saúde


PREVENÇÃO
A melhor forma de prevenir as três doenças é a eliminação de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. Isso quer dizer evitar deixar água acumulada em vasos de plantas, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso, e até mesmo em recipientes pequenos como tampas de garrafas.

Além disso, repelentes e inseticidas podem ser usados, principalmente durante surtos. Mosquiteiros também proporcionam boa proteção para aqueles que dormem durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.

Revisão técnica
Prof. Dr. Max Grinberg
Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
Autor do blog Bioamigo

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.
* Campos obrigatórios.

Esse site é melhor visualizado no modo Portrait.

Esse site é melhor visualizado no modo Landscape.